Descrição de chapéu Opinião Tendências Debates jornalismo

Foi correta a decisão da Folha de deixar o Facebook? Não

Atitude da Folha de tirar seu time de campo no Facebook parece-me falhar em um aspecto: o compromisso com o seu público

FêCris Vasconcellos

Compreensível dos pontos de vista político e do mercado, a decisão da Folha de tirar seu time de campo no Facebook parece-me falhar em apenas um aspecto: o compromisso com o seu público. No jornalismo, entretanto, esse é o aspecto mais importante. 

Para o negócio digital de um jornal, o Facebook já não tem mais a mesma importância. No último ano houve uma queda considerável de acessos com essa origem, o que tende a se acentuar com as mudanças no algoritmo da ferramenta. 

Tampouco me parece uma decisão equivocada do ponto de vista político. Se estar no Facebook não é algo particularmente lucrativo para um jornal, estar fora dele é, sim, um statement importante, especialmente em meio a um debate sobre quão nocivas são as bolhas de pensamento e ideologia incentivadas por esse mesmo conjunto de linhas de código.

É pela particularidade da atividade jornalística, contudo, que avalio a decisão da Folha como errada. Assinalo aqui dois motivos pelos quais um jornal precisa estar ativamente no Facebook. 
O primeiro é uma questão ética. Se há proliferação de notícias falsas na rede, é obrigação dos veículos sérios de jornalismo combatê-la,  enriquecendo esse debate. 

Há uma iniciativa do próprio Facebook que criaria uma ferramenta de ranqueamento da confiabilidade dos veículos a partir de avaliações dos usuários. Parece-me precipitado deixar a plataforma digital antes da concretização desse projeto.

Além disso, se todos os veículos sérios saírem, sobrarão apenas os capciosos, o que deixaria 2 bilhões de pessoas à mercê do que não se quer, a desinformação. 

A obrigação ética de um jornal, um produto diferente dos demais por ter vocação de ferramenta da sociedade, é contribuir para a iluminação do que parece uma zona de trevas, mas que é, afinal, parte constituinte da esfera pública.

Em segundo lugar, chamo a atenção para a função principal do Facebook: conectar pessoas. 

Organizar comunidades, como já escreveu o professor Jeff Jarvis, da City University de Nova York, pode ser uma grande função do jornalismo na atualidade, fator determinante para a superação das crises econômica e de reputação em que a atividade se encontra. 

Veículos como o jornal “The Boston Globe”, a rádio NPR e o digital “Vox” utilizam o Facebook para criar comunidades de leitores, fixando laços fortes entre eles.

É uma forma de atrair debates construtivos e potenciais assinantes digitais e disseminadores orgânicos de conteúdo.

Nesse sentido, o Facebook permanece uma importante fonte de audiência —menos numerosa do que antes, porém mais engajada, comprometida e disposta a pagar por conteúdo envolvente e de qualidade.

 O editor do siteVerge”, Casey Newton, acertou ao afirmar que a “política do Facebook mostrará quem tem audiência e quem tem apenas tráfego”. Sendo as assinaturas digitais o norte para a subsistência de um jornalismo independente, parece-me que a primeira opção é o alvo mais correto.

Compreender o tamanho do seu público e trabalhar com e para ele é a melhor estratégia. Talvez em um futuro próximo existam locais mais apropriados e produtivos para o encontro do jornalismo com seus consumidores. Por enquanto, todavia, tal possibilidade ainda passa pela rede social mais populosa do mundo.

FÊCRIS VASCONCELLOS, jornalista, é professora de cultura digital e produção em jornalismo digital da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Foi editora digital no jornal “Zero Hora”

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.