Descrição de chapéu Opinião Miguel de Almeida

Não existe amor em SP

Prefeitos só desejam o cargo como trampolim

Fiscais da Prefeitura fazem vistoria em viaduto que cedeu na marginal Pinheiros - Robson Ventura - 30.nov.18/Folhapress
Miguel de Almeida

O paulistano é, antes de tudo, um forte. 

Acompanhe a cena: emissários da prefeitura da mais rica cidade da América do Sul perturbam uma tranquila senhora de classe média. Ela é viúva de um importante engenheiro. O que desejam os amanuenses?

Eles querem saber se --por acaso, Deus é pai, vai-que-damos-sorte, tóc-tóc três vezes-- ela guarda documentos de projetos realizados por seu falecido marido e, se lá no meio, entre eles, há referência--cruze os dedos-- a um viaduto de quase mil metros construído em uma das avenidas mais movimentadas do planeta"! 

A senhora deve ter dado aquela risadinha interna, e respondeu que jogara tudo dele logo após sua morte
Os emissários da prefeitura de uma das maiores cidades do mundo voltam à repartição com a cara de quem presenciou um karaokê com Roberto Justus e Marilia Gabriela.

Horas depois, o secretário municipal responsável pela área viária tenta uma pirueta petista: afirma que o viaduto passou sim, óbvio, por uma vistoria meses atrás, e nada se verificou. E o laudo técnico? O amanuense é taxativo: não pode mostrar porque é documento sigiloso!

Imaginando, é claro, que esse laudo foi feito, que tenha havido uma inspeção e que a secretaria haja cumprido seu papel de cuidar da infraestrutura da cidade. Sabe, eu, como João Doria, acredito que comunista come criancinha.

Até a data em que escrevo, seis quilômetros da marginal Pinheiros continuam interditados, e a prefeitura gastou apenas 5,3% do valor previsto na recuperação ou em obras em pontes e viadutos de São Paulo.

Dos R$ 44,7 milhões reservados pela municipalidade, somente R$ 2,4 milhões foram utilizados. Chamemos isso de criminalidade administrativa ou de Acelera São Paulo? 

Não é por falta de aviso que o viaduto ruiu. Há pelo menos quatro prefeitos (Kassab, Haddad, Doria e o atual, Covas), o Ministério Público alerta que pontes e viadutos paulistanos necessitam de reparos. 

A pauliceia tenta reagir. Haddad não se reelegeu; Doria perdeu feio na capital para um desconhecido governador tampão, e Bruno Covas, bem, quem é Bruno Covas? 

Este é o problema da maior cidade da América Latina. Seus alcaides só desejam o cargo como trampolim. Em seus olhos e corações não há amor por São Paulo. 

Não tivemos a sorte de um Michael Bloomberg, ex-prefeito de Nova York. Ou de um Jacques Chirac, ex-prefeito de Paris. O milionário alcaide nova-iorquino, por exemplo, ofereceu desde o pensamento de moradias populares na riquíssima Manhattan (e não essa vagabundagem do Minha Casa, Minha Vida petista ou do marqueteiro Cingapura malufista) aos cuidados do bem-estar auditivo quando proibiu as buzinas dos carros --além de vetar que se fume dentro dos parques públicos (não vou falar do grande Giuliani, que tirou Nova York da falência e as gangues das ruas).

Foram prefeitos. E o que é um prefeito? É o cara que cuida da cidade onde você mora com carinho, como se fosse o seu jardim, o seu quarto e o seu escritório. Ele acorda e dorme com a cidade na cabeça. Mostra-se solidário com o espírito da comunidade, do mais simples amanuense ao banqueiro.

Como herdeiro da urbanidade de Baudelaire, observo São Paulo e Rio, cidades onde passei maior número de meus anos, e facilmente constato como discutimos grandes questões (Lava Jato, impeachment etc) e elegemos uns sem-vergonhas de prefeitos, montados somente em suas ambições de alpinismo político.

Convivemos com o pior asfalto do planeta, calçadas fora da lei, a falta de e o descuido com as áreas verdes. Peraí, quem é Bruno Covas?

Miguel de Almeida

Escritor e diretor dos documentários "Não Estávamos Ali para Fazer Amigos" e "Tunga, o Esquecimento das Paixões"

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.