Descrição de chapéu
Jennifer L. Uhler

Saber inglês: oportunidades e perspectivas

Língua é essencial para a formação do cidadão brasileiro do século 21

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Jennifer L. Uhler

Diretora do Escritório de Ensino de Língua Inglesa da Embaixada e Consulados dos EUA no Brasil

Reportagem da Folha sobre a importância do inglês para o estudante de escola pública na prova do Enem (“Inglês no Enem é obstáculo entre aluno de escola pública e a faculdade”, 28/2), bem como todos os desafios impostos pela pandemia de Covid-19, evidenciam que, mais do que nunca, saber inglês abre portas para a educação, o emprego e a conectividade com o mundo.

Em 2020 e 2021, o governo dos Estados Unidos intensificou parcerias e ampliou oportunidades para professores brasileiros no intuito de democratizar o acesso ao inglês. Apenas nesse período trabalhamos com mais de 65 universidades e secretarias de governos, alcançando mais de 250 mil professores. Como diretora de programas de inglês da Embaixada e dos Consulados dos EUA no Brasil, entendo que saber inglês é essencial para que o acesso a oportunidades seja mais democrático.

Aplicação do Enem em São Paulo, em meio à pandemia - Marlene Bargamo - 17.jan.2021/Folhapress

Expandir o acesso a alunos de diferentes faixas etárias é um compromisso da Embaixada dos EUA no Brasil. Recentemente, lançamos o programa Access E2C, curso intensivo de inglês com 210 horas de instrução para profissionais afrodescendentes e indígenas em início de carreira. Atualmente, esse programa beneficia 160 profissionais em oito regiões do país.

Além disso, fizemos uma parceria com a startup ChatClass, com foco em alunos do ensino médio, para promover a segunda Olimpíada de Inglês do Brasil desenvolvida via Inteligência Artificial no WhatsApp.

Tivemos a participação de mais de 145 mil alunos e professores de todos os cantos do país. Os 81 professores vencedores do concurso receberam um curso de capacitação para o uso de tecnologias em sala de aula, além de suporte didático-pedagógico, e 162 alunos puderam melhorar suas habilidades linguísticas em “clubes de inglês” online.

Os educadores brasileiros têm trabalhado arduamente e revelado um enorme otimismo e criatividade durante a pandemia. No Rio de Janeiro, centenas de professores participam atualmente de capacitação para integrar o ensino regular baseado em projetos ao aprendizado de inglês. Nas regiões Norte e Centro-Oeste, 140 professores participam da quarta fase de um projeto online com foco em avaliação.

Outro programa de destaque em nível nacional é o Brite - “Brazilians Innovating on the Teaching of English” (“Brasileiros Inovando no Ensino de Inglês”), com mais de 350 professores de escolas públicas de 15 cidades participando de forma virtual e aprendendo metodologias para o ensino no século 21 adequadas à Base Nacional Comum Curricular.

Também criamos um novo podcast gratuito em colaboração com a Universidade do Texas —”Língua da Gente: Slice of Life”— produzido especialmente para brasileiros. No campo acadêmico, estamos apoiando universidades estaduais e federais em projetos para ensino de escrita acadêmica e publicação em inglês, em parceria com o Paraná. Ainda em 2021, lançaremos um centro virtual de escrita acadêmica —projeto-piloto para uma plataforma cujo acesso poderá ser estendido para todo o Brasil.

Saber inglês é essencial para a formação do cidadão brasileiro do século 21 e uma das prioridades da Embaixada e dos Consulados dos EUA no Brasil. Estamos empenhados em promover cada vez mais oportunidades para brasileiros por meio do ensino do inglês e abertos a parcerias inovadoras. Juntos somos mais fortes.

TENDÊNCIAS / DEBATES
Os artigos publicados com assinatura não traduzem a opinião do jornal. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate dos problemas brasileiros e mundiais e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo.​​

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.