Descrição de chapéu Café da Manhã

O que diz quem defende a quebra de patentes das vacinas contra a Covid-19; ouça podcast

Na OMC, proposta de suspensão de direitos esbarra na resistência de países mais ricos

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Países como Índia e África do Sul têm pressionado a OMC (Organização Mundial do Comércio) para que o órgão autorize a quebra de patentes de vacinas contra a Covid-19. O objetivo é tornar a produção de imunizantes mais barata e acessível para nações mais pobres.

Quem se opõe à suspensão dos direitos de propriedade intelectual sobre as vacinas argumenta que isso pode desestimular o investimento em pesquisa e, consequentemente, novas descobertas.

Os imunizantes, que são solução para a crise sanitária, têm sido distribuídos e aplicados de forma desigual no mundo.

Diante da urgência global por vacinas, o Café da Manhã desta quarta-feira (7) entrevista Pedro Villardi, coordenador de Projetos do Grupo de Trabalho sobre Propriedade Intelectual (GTPI) da Associação Brasileira Interdisciplinar de AIDS. Ele fala sobre as implicações da quebra de patentes das vacinas contra a Covid.

O programa de áudio é publicado no Spotify, serviço de streaming parceiro da Folha na iniciativa e que é especializado em música, podcast e vídeo. É possível ouvir o episódio clicando abaixo. Para acessar no aplicativo basta se cadastrar gratuitamente.

Ouça o episódio:

O Café da Manhã é publicado de segunda a sexta-feira, sempre no começo do dia. O episódio é apresentado pelos jornalistas Magê Flores e Mauricio Meireles, com produção de Jéssica Maes, Laila Mouallem, Mahara Aguiar e Victor Lacombe. A edição de som é de Thomé Granemann.

Imagem de capa do podcast Café da Manhã, com o nome do programa escrito sobre vários recortes de jornais. Logos de de Spotify e Folha de S.Paulo podem ser vistas nos cantos
Podcast Café da Manhã - Reprodução
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.