Lula não deve se entregar, defendem aliados

Surpreendidos por decisão de Moro, petistas mobilizam militância por redes sociais

Brasília

Parlamentares petistas convocaram militantes para uma mobilização em São Bernardo do Campo na noite desta quinta-feira (5) contra a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Há aliados do petista que defendem que ele não se entregue. Alguns, como a deputada Maria do Rosário (RS), se manifestaram publicamente. No Twitter, ela afirmou que "prender Lula é uma obsessão para alguns".

Ela defendeu que o ex-presidente não se entregue em Curitiba, como determinou o juiz Sérgio Moro. 

"Lula e advogados decidirão e têm meu apoio, mas não creio, por ser inocente, que Lula deva se entregar em Curitiba", diz a publicação. 

Líder do PT na Câmara, o deputado Paulo Pimenta (RS) disse em uma rede social que a decisão foi política e culpou a imprensa por pressionar a Justiça.

"Foi uma decisão política, uma vez que alguns ministros optaram por rasgar a Constituição e aceitar a pressão da Globo para tentar inviabilizar Lula. O nome disso não é Justiça, é política", afirmou Pimenta.

Lideranças de esquerda convocaram militantes nas redes sociais para uma mobilização no Sindicato dos Metalúrgicos, em São Bernardo.

"Diante da decisão do juiz parcial e arbitrário Sergio Moro, resistiremos", disse o deputado Paulo Teixeira (PT-SP) em sua conta no Facebook.

REPERCUSSÃO NO SENADO

Após a determinação de prisão do ex-presidente Lula pelo juiz Sergio Moro, senadores usaram as redes sociais para se manifestar.

A presidente nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PR), afirmou, por meio de sua conta no Twitter, que a decisão é uma "violência sem precedentes na nossa história democrática".

"Um juiz armado de ódio e de rancor, sem provas e com um processo sem crime, expede mandado de prisão para Lula, antes de se esgotarem os prazos de recurso. Prisão política, que reedita os tempos da ditadura", disse.

A senadora Vanessa Grazziotin (PcdoB-AM) chamou a ordem de Moro de “barbaridade” e sugeriu que o ex-presidente foi preso por não ser do PSDB.

“Prisão de Lula decretada e ainda dizem que a lei é para todos! Como assim? Condenaram Lula sem provas e prendem sem trânsito em julgado! Ah! Ele não é do PSDB! Vamos reagir”, disse no Twitter.

O líder da minoria no Senado, Humberto Costa (PT-PE), afirmou que a determinação é um escândalo que envergonha o Brasil.

“Esse mandado de prisão expedido de forma absolutamente açodada é mais um declarado abuso nessa caçada política implacável contra Lula”, afirmou.

O senador Lindbergh Farias (PT-RJ) usou sua conta no Twitter para criticar Moro.

"Moro, alçado ao estrelato para cumprir o papel de verdugo de Lula, conseguiu o que queria. Menos de 24h depois da sessão do STF, sai a ordem de prisão. [...] Lula é um gigante; Moro é um patético serviçal do capital", disse.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.