Descrição de chapéu Eleições 2018

PT afirma que registrará candidatura de Lula

Em nota, cúpula petista afirma que ex-presidente é um preso político, vítima de violenta prisão

Curitiba

O comando do PT afirmou nesta segunda-feira (9), dois dias depois da prisão de Lula, que a candidatura do ex-presidente será registrada no dia 15 de agosto, fim do prazo determinado pelo TSE para que se possa disputar a eleição.

Na nota, divulgada após oito horas de reunião, a cúpula petista afirma que Lula é um preso político, vítima de violenta prisão.

“Por tudo isso, por toda sua história, Lula continua sendo nosso candidato à Presidência da República e sua candidatura será registrada no dia 15 de agosto, conforme a legislação eleitoral”, diz o texto.

A nota diz também que caberá à presidente da sigla, Gleisi Hoffmann (PR), o papel de porta-voz de Lula, além de articuladora com partidos e movimento de esquerda.

“A principal tarefa do PT é lutar pela liberdade de Lula, em ações coordenadas com outros partidos políticos, movimentos sociais, frentes, organizações e personalidades de todo o Brasil e de outros países.”

A decisão foi anunciada pelo senador Lindbergh Farias (PT-RJ), no acampamento dos movimentos pró-Lula em frente à sede da Polícia Federal de Curitiba. Ele disse que “sob qualquer circunstância” a candidatura será registrada.

PLANOS PETISTAS

Desesperançosos quanto à possibilidade de libertação de Lula, petistas também traçaram nesta segunda-feira (9) um plano de longo prazo para acompanhamento do ex-presidente na Superintendência da Polícia Federal, em Curitiba. 

Dirigentes petistas também pediram ajuda ao ministro Raul Jungmann na tentativa de transferir Lula para São Paulo, sob argumento de que corre riscos em Curitiba. A agenda traduz o reconhecimento de que Lula deverá passar muito tempo encarcerado.

Em conversas, petistas lançaram dúvidas sobre a chance de liberação na quarta-feira (11), quando petistas antes esperavam a aprovação no STF de um pedido de liminar impedindo prisão de condenados em segunda instância.

No domingo (8), aliados de Lula admitam a possibilidade de o pedido nem ir a voto.

Temendo seu isolamento, o comando do PT definiu uma escala para permanência de dirigentes partidários e parlamentares na cidade. Esforçaram-se para garantir a presença de dez governadores em Curitiba nesta terça-feira (10).

O partido também tenta criar uma programação com atividades culturais no acampamento  montado diante da sede da PF.

Outra medida será a transferência da sede do PT, incluindo funcionários, para Curitiba. Em uma reunião que consumiu toda a tarde, invadindo a noite, petistas expuseram preocupação com a saúde e segurança de Lula. 

Disseram temer até que ele entre em depressão. Em uma tentativa de levá-lo para São Paulo procuraram o delegado-geral da PF para listar recentes conflitos.

O PT também vai pedir a Jungmann que atue para permitir que Lula conte com a presença de um segurança da sua equipe, além de uma comida especialmente preparada para ele. Petistas chegaram a dizer que temem seu envenenamento em doses homeopáticas.

Para justificar a apreensão, enviaram a autoridades áudios gravados durante o transporte de Lula a Curitiba no avião da PF.

Em uma das mensagens uma voz masculina, que não se identifica, afirma “manda esse lixo janela abaixo”, supostamente em referência ao ex-presidente.

 

O QUE OS PRESIDENCIÁVEIS DISSERAM SOBRE IDA DE LULA PARA A CADEIA

Declarações após o petista ter prisão decretada

Geraldo Alckmin (PSDB)
“É lamentável ver a decretação da prisão de um ex-presidente, mas tenho a convicção de que isso simboliza uma importante mudança que vem ocorrendo no Brasil: o fim da impunidade. A lei vale para todos”

Jair Bolsonaro (PSL)
“Eu comemoro o resultado não pela derrota do Lula, mas pela vitória da Justiça. Afinal de contas, esse cidadão cansou de errar e colocar o Brasil nesta situação em que nos encontramos no momento, no tocante à economia, ao desgaste dos valores familiares, à uma política externa com viés ideológico, à violência crescente, ao desemprego assustador”

Marina Silva (Rede)
“A prisão de um ex-presidente é um acontecimento triste em qualquer país. No entanto, numa democracia, as decisões da Justiça devem ser respeitadas por todos e aplicadas igualmente para todos. Os que ainda não foram alcançados pela Justiça é porque estão escondidos sob o manto da impunidade do foro privilegiado”

Ciro Gomes (PDT)
“Estou acompanhando com muita tristeza tudo que está acontecendo com o ex-presidente e meu amigo Luiz Inácio Lula da Silva. Espero que os próximos recursos possam estabelecer sua liberdade. Parte importante do país, na qual me incluo, não consegue ver justiça, muito menos equilíbrio, em uma providência tão amarga, enquanto remanescem intocados notórios corruptos do PSDB”

Alvaro Dias (Podemos)
“A prisão do líder popular que presidiu o Brasil é triste, mas a decisão é histórica. A impunidade perdeu; o Estado de Direito prevaleceu. As leis estão governando os homens. É assim que se constrói uma grande nação”

Guilherme Boulos (PSOL)
“É urgente a construção de uma unidade democrática contra a prisão arbitrária de Lula e a escalada da intolerância política. Não deixaremos as ruas e a luta. Para além das eleições, é o futuro do Brasil que está em jogo. Enfrentaremos as injustiças, de toga 
ou de farda. Lula livre!”

Manuela D’Ávila (PCdoB) 
“Consumou-se mais uma etapa do golpe de agosto de 2016. O maior líder político do país, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, está arbitrária e injustamente preso. É um preso político. Está no cárcere por força de vereditos encomendados, previamente tramados. Nenhuma prova foi apresentada contra ele”

Rodrigo Maia (DEM)
“Aqueles que têm responsabilidade pública, em qualquer nação, não podem celebrar a ordem de prisão de um ex-presidente da República. No entanto, o mandado de prisão decorreu de um processo submetido 
à mais alta corte do Poder Judiciário, em que foi respeitado o amplo direito de defesa. O Brasil é uma democracia madura onde as instituições funcionam plenamente. Toda e qualquer manifestação em relação ao mandado de prisão precisa respeitar a ordem institucional”

Fernando Collor (PTC)
“Só tenho a lamentar”

João Amoêdo (Novo)
“A prisão é um avanço importante para o país porque fortalece o combate à impunidade e à corrupção. Mas é uma vergonha para qualquer nação ter um ex-presidente preso, mostra que a corrupção está embrenhada nos mais altos níveis da República e precisa continuar sendo combatida”

Catia Seabra, Felipe Bächtold e José Marques

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.