Governadores perdem aliados às vésperas da eleição

Antigos apoiadores promovem debandada e deixam governistas isolados em 4 estados e DF

João Pedro Pitombo
Salvador

Eles são potenciais candidatos a um segundo mandato. Mas começam a enfrentar um cenário de isolamento político nas vésperas das eleições deste ano.

Os governadores do Distrito Federal, Rio Grande do Sul, Rio Grande do Norte, Mato Grosso e Pernambuco enfrentam uma debandada de aliados e deverão ter dificuldades na formatação de chapas competitivas para disputar um novo mandato.

São governadores que têm em comum baixa popularidade e gestões fortemente impactadas pela crise financeira e fiscal. Em quase quatro anos de governo, deixaram uma marca de baixo nível de investimento e atrasos ou parcelamentos no pagamento dos salários de servidores.

No Distrito Federal, o governador Rodrigo Rollemberg (PSB) enfrenta uma rebelião entre seus aliados mais próximos.

O governador do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg (PSB), que enfrenta rebelião de aliados - Mateus Bonomi -22.jan.2018/Folhapress

Partidos como PSDB, PSD, PRB e PDT deixaram seus cargos no governo e começam a articular uma chapa de oposição ao governador. A base na Câmara Legislativa minguou —apenas 8 dos 24 deputados distritais são de partidos aliados a Rollemberg.

Diante do cenário de isolamento, Rollemberg tenta reconstruir ponte com partidos de menor porte como PDT, PV e Rede.

"Estamos conversando para atrair partidos do campo progressista. Entendemos que se o governador fez muita coisa num quadro de adversidade, imagine agora com a casa arrumada", diz Tiago Coelho, presidente do PSB-DF.

O governador do Rio Grande do Norte, Robinson Faria (PSD), é outro que enfrenta um cenário de isolamento. Os três maiores partidos que compuseram sua chapa em 2014 —PT, PP e PCdoB— deixaram o governo. 

Já o vice-governador Fábio Dantas (PSB) anunciou que disputará a sucessão ao governo estadual. "Não faz sentido um governador que perdeu o foco da gestão querer disputar a reeleição. Parece que ele perdeu a sensatez", afirma Dantas.

Por contrapor as perdas, Faria tenta construir novas alianças. O PSDB foi cortejado esta semana em jantar em Brasília com o presidenciável e ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB). Os tucanos do Rio Grande do Norte, contudo, resistem em firmar uma aliança com um governador politicamente desgastado.

Além de fazer uma gestão marcada por dificuldades financeiras, o governador foi denunciado pela Procuradoria-Geral da República por suspeita de obstrução da Justiça em um processo que investiga desvio de recursos da Assembleia Legislativa do Estado.

Outro governador que enfrenta uma debandada de aliados é Pedro Taques (PSDB), do Mato Grosso. Ele perdeu o apoio de partidos como o DEM, PV, PP, PDT e também do PSD do vice-governador Carlos Fávaro, que renunciou ao cargo no início do mês.

Na última semana, Taques foi alvo de um manifesto assinado por 31 ex-aliados que o apoiaram em 2014. Intitulado "porque não apoiamos a reeleição de Pedro Taques em 2018", o documento cita promessas não cumpridas pelo governador e problemas na gestão financeira e na saúde do estado.

No Rio Grande do Sul e em Pernambuco, os governadores também enfrentam baixas e devem disputar a reeleição sustentados por coligações enxutas, com poucos partidos.

Eleito em 2014 numa megacoligação de 21 partidos, o governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB), foi perdendo parte de seus principais aliados durante o seu mandato.

As primeiras baixas aconteceram em desde 2016, quando DEM e PSDB romperam com o governador. Desde então, também deixaram o governo PV, PPS e Rede. O principal baque, contudo, veio de dentro de seu próprio partido: o senador Fernando Bezerra Coelho deixou o PSB e uniu-se às oposições.

Aliados do governador minimizam as perdas: "Partidos como DEM e PSDB já eram tradicionalmente da oposição. Eles voltaram para o seu lugar de origem", afirma o deputado federal Daniel Cabral (PSB). Por outro lado, diz o deputado, Câmara reforçou laços com aliados como PDT e ensaia uma reaproximação com o PT.

José Ivo Sartori (MDB), do Rio Grande do Sul, perdeu o apoio do PDT, PP e PSDB —os três partidos lançaram pré-candidaturas ao governo do estado.

Presidente do MDB gaúcho, o deputado federal Alceu Moreira diz considerar legítimo que aliados tenham candidaturas próprias. E diz que Sartori está motivado para disputar a reeleição.

"O governador foi corajoso, tomou medidas impopulares, mas necessárias. Enfrentamos uma difícil travessia e agora estamos saindo do outro lado. É prudente que haja uma continuidade", diz Moreira. 

Desde 1997, quando foi aprovada a emenda da reeleição no governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, nenhum governador foi reeleito no Rio Grande do Sul.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.