Carta assinada por Bernie Sanders critica julgamento de Lula e morte de Marielle

Documento também tem o nome de outros congressistas dos EUA

Estelita Hass Carazzai
Washington

Um grupo de 29 congressistas americanos, incluindo o senador Bernie Sanders, que foi pré-candidato à presidência dos Estados Unidos em 2016, vai enviar nesta quinta-feira (26) ao governo brasileiro uma carta em que denuncia a "intensificação do ataque à democracia e aos direitos humanos no Brasil" e pede providências.

O documento, ao qual a Folha teve acesso, dá destaque à prisão do ex-presidente Lula, em função do que afirma serem “acusações não comprovadas” em um julgamento “altamente questionável e politizado”, e à morte da vereadora e ativista Marielle Franco, no Rio de Janeiro.

Bernie Sanders - AP Photo/Jose Luis Magana

Para o grupo, os dois fatos demonstram uma vigente “ameaça à democracia no Brasil”, segundo afirmou à Folha o deputado Mark Pocan, democrata de Wisconsin e líder da iniciativa.

"Acredito que é importante, como membro do Congresso, me manter engajado em temas da democracia e dos direitos humanos nas Américas”, afirmou Pocan. Ele disse ter acompanhado o desenvolvimento da democracia brasileira nos últimos anos e afirmou estar muito preocupado com os últimos desdobramentos.

Na carta, Lula é chamado de “o principal candidato presidencial” para as eleições de outubro. Os deputados pedem que ele responda ao processo em liberdade, e afirmam que "a luta contra a corrupção não deve ser usada para justificar a perseguição de opositores políticos ou negar-lhes o direito de participar livremente das eleições".

Quanto a Marielle, a carta pede uma investigação internacional independente sobre seu assassinato. "Evidências críveis sugerem que membros das forças de segurança do Estado podem estar implicados no crime”, afirmam os congressistas. A investigação sobre sua morte ainda não apontou suspeitos.

O documento, capitaneado pela bancada progressista do Congresso americano, formado por 535 membros no total, ainda chama o governo do presidente Michel Temer (MDB) de "extrema direita", e critica o corte de gastos da gestão e a mudança das leis trabalhistas.

O grupo também organizou uma manifestação em janeiro deste ano, que já criticava o julgamento de Lula.
A carta será endereçada ao embaixador do Brasil em Washington, Sergio Amaral.

Em janeiro, Amaral afirmou, em resposta a uma missiva semelhante, que o processo contra Lula correu "em estrito cumprimento à lei".

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.