Descrição de chapéu Eleições 2018

Fala sobre fechar STF 'não é motivo para alarde', diz filho de Bolsonaro

Eduardo Bolsonaro diz que reação é 'forçação de barra'

Thais Bilenky
São Paulo

Em mensagem postada nas redes sociais na tarde deste domingo (21), o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), afirmou que o vídeo em que cogita o fechamento do STF (Supremo Tribunal Federal) "não é motivo para alarde".

"Se fui infeliz e atingi alguém, tranquilamente peço desculpas e digo que não era a minha intenção", afirmou em mensagem nas redes sociais.

"Acredito que o vídeo não é motivo para alarde, até porque eu mesmo o publiquei em minhas redes sociais há quase quatro meses. Trata-se de mais uma forçação de barra para atingir Jair Bolsonaro, assim como é essa balela de WhatsApp fake news ser o fator que está conduzindo Jair Bolsonaro possivelmente para a Presidência", continuou.

Na semana passada, a Folha revelou que empresas apoiando Bolsonaro compraram pacotes de disparos em massa de mensagens contra o PT no WhatsApp e preparam uma operação para esta semana.

A prática é ilegal, pois se trata de doação de campanha por empresas, vedada pela legislação eleitoral, e não declarada. 
 

No vídeo, que circula nas redes sociais, o deputado responde a pergunta sobre uma hipotética possibilidade de ação do Exército em caso de o STF impedir que Bolsonaro assuma a Presidência.

"Aí já está caminhando para um estado de exceção. O STF vai ter que pagar para ver e aí vai ser ele contra nós. Se o STF quiser arguir qualquer coisa, sei lá, recebeu uma doação ilegal de R$ 100 do José da Silva,  pô, impugna a candidatura dele. Não acho improvável, não, mas aí vai ter que pagar para ver. Será que vão ter essa força mesmo?", responde Eduardo.

"O pessoal até brinca. lá. Cara, se quiser fechar o STF, sabe o que você faz? Você não manda nem um jipe. Manda um soldado e um cabo. Não é querer desmerecer o soldado e o cabo, não. O que é o STF? Tira o poder da caneta de um ministro do STF.  Se prender um ministro do STF, você acha que vai ter uma manifestação popular a favor do ministro do STF, milhões na rua? 'Solta o Gilmar, solta o Gilmar'. Com todo respeito que tenho ao excelentíssimo ministro Gilmar Mendes, que deve gozar de imensa credibilidade junto aos senhores", ironizou.

"É igual a soltar o Lula. O Moro peitou um desembargador que está acima dele. Por quê? Porque o Moro está com moral para cacete. Você vai ter que ter um colhão filho da puta para reverter uma decisão dele."

O vídeo foi gravado no dia 9 de julho, em um cursinho de Cascavel, no Paraná. Eduardo Bolsonaro dava uma palestra para concurseiros que desejam ingressar na Polícia Federal.

Ele citou embate de mandados ocorrido no dia anterior (8 de julho), sobre a soltura do ex-presidente Lula.

Neste domingo, o filho do presidenciável afirmou que respondia "a uma hipótese esdrúxula, onde Jair Bolsonaro teria sua candidatura impugnada pelo STF sem qualquer fundamento. De fato, se algo desse tipo ocorresse, o que eu acho que jamais aconteceria, demonstraria uma situação fora da normalidade democrática. Na sequência citei uma brincadeira que ouvi de alguém na rua".

"Prova disso é que, quando José Dirceu falou que o PT não vai ganhar a eleição, mas vai tomar o poder, ou a de Ciro Gomes que receberia a bala a equipe de Sérgio Moro, ou quando Gleisi Hoffmann pediu ajuda ao mundo árabe para soltar Lula, ou ainda a de Lula, que disse que temos um STF acovardo e tantos outros exemplos, ninguém se impressionou tanto", argumentou.

"Tenho a consciência tranquila e o momento é de acalmar os ânimos, que muitas das vezes é inflado propositalmente para se criar uma atmosfera de instabilidade. Se alguém defender que o STF precisa ser fechado, de fato essa pessoa precisa de um psiquiatra. Eu jamais falei isso. Estamos à beira de uma eleição que após ser feita, sacramentará um governo legítimo, eleito pela maioria dos eleitores, que terá tudo para unir todos os brasileiros e seguir a Constituição, atitude que não é defendida pelo PT."

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.