Abraji aponta 156 casos de agressão a jornalistas em 2018

Entre as agressões físicas, a maioria relaciona-se à cobertura de manifestações ou de grandes eventos

São Paulo

A Abraji (Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo) publicou levantamento que aponta 156 casos de violência registrados no Brasil contra jornalistas e comunicadores em contexto político, partidário e eleitoral.

Entre as agressões físicas, a maioria relaciona-se à cobertura de manifestações ou de eventos de grande repercussão ligados às eleições de 2018.

Nas agressões virtuais, 91% são exposições indevidas —quando agressores compartilham fotos e/ou perfis de jornalistas incentivando ondas de ofensa— nas redes sociais Facebook e Twitter.

O ataque sofrido pela repórter Patrícia Campos Mello, da Folha, recebeu destaque da associação.

A jornalista foi vítima de ameaças físicas, ofensas em redes sociais e teve sua conta do WhatsApp hackeada por apoiadores do então Presidente da República Jair Bolsonaro (PSL) após publicar a reportagem “Empresários bancam campanha contra o PT pelo WhatsApp”.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.