Filho de Mourão vira assessor do presidente do Banco do Brasil e triplica salário

Promoção de Antônio Rossell Mourão no Banco do Brasil provocou constrangimento no Planalto, mas foi defendida por vice-presidente

Brasília

Contrariando uma de suas bandeiras de campanha, o fim da influência política na formação do governo, a gestão de Jair Bolsonaro foi cobrada a explicar, nesta terça-feira (8), a promoção de Antônio Hamilton Rossell Mourão, filho do vice-presidente Hamilton Mourão, à assessoria especial do presidente do Banco do Brasil.

Com a ascensão no banco público, o filho do vice passará a ganhar R$ 36,3 mil, o triplo de seu atual salário. A nova função equivale a um cargo de executivo.

O presidente do Banco do Brasil, Rubem Novaes, em cerimônia de posse - Adriano Machado/Reuters

Funcionário de carreira do banco há quase duas décadas, Rossell Mourão vinha atuando havia 11 anos como assessor na área de agronegócio da instituição, ganhando cerca de R$ 12 mil mensais. Sua mulher, Silvia Letícia Zancan Mourão, também é funcionária do banco.

A promoção foi considerada inusual por funcionários.

Rossell Mourão irá assessorar o recém-empossado presidente do banco, Rubem Novaes. A nomeação ocorreu na segunda-feira (7), mesmo dia em que Novaes tomou posse do cargo em cerimônia no Palácio do Planalto na qual Mourão, o pai, estava presente. O vice-presidente não foi à posse do presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, que ocorreu no mesmo dia.

Segundo o estatuto do banco, o presidente tem direito a nomear três assessores especiais. Pela tradição, ele se cerca de especialistas na área jurídica, de comunicação e do agronegócio.

A cúpula do governo Bolsonaro se sentiu desconfortável e irritada com a promoção, segundo relatos. Para integrantes da equipe ministerial, que falaram em caráter reservado, o vice-presidente deveria dar o exemplo e pedir ao filho que abra mão da função.

O principal motivo do constrangimento é que a escolha diverge da conduta defendida por Bolsonaro, durante a campanha presidencial, de acabar com privilégios de indicações políticas.

Mesmo depois da vitória, o presidente tem destacado que não cedeu a partidos políticos na montagem do governo, prática chamada de "toma lá, dá cá". Na posse, por exemplo, disse que "a irresponsabilidade nos conduziu à maior crise ética, moral e econômica" da história.

A nomeação foi criticada inclusive pelo MBL (Movimento Brasil Livre), um dos grupos de direita no Brasil que apoiaram Bolsonaro no segundo turno das eleições. Em vídeo, um dos coordenadores do movimento, Renan Santos, disse que o novo governo deveria mostrar que faz uma política diferente.

Procurado pela Folha, o vice-presidente afirmou que seu filho atua há anos na instituição financeira e que tem uma trajetória sólida para a nova posição.

Segundo Mourão, por não ser filiado ao PT, Rossell foi ameaçado e perseguido em gestões passadas, perdendo inclusive vaga de garagem no banco estatal. "Quando o vento era outro, ele era prejudicado. Agora, que o vento é a favor, ele foi favorecido por suas qualidades", disse.

O vice-presidente também se manifestou sobre o caso nas redes sociais.

"Meu filho, Antônio, ingressou por concurso no BB há 19 anos. Com excelentes serviços, conduta irrepreensível e por absoluta confiança pessoal do presidente do banco foi escolhido por ele para sua assessoria. Em governos anteriores, honestidade e competência não eram valorizados", escreveu.

O presidente do BB também defendeu a promoção. "Antônio é de minha absoluta confiança e foi escolhido para minha assessoria, e nela continuará, em função de sua competência. O que é de se estranhar é que não tenha, no passado, alcançado postos mais destacados no banco."

Julio Wiziack, Gustavo Uribe e Talita Fernandes
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.