Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Queiroz movimentou R$ 7 milhões em três anos, diz jornal

Coaf identificou movimentação ainda maior na conta de ex-assessor de Flávio Bolsonaro

Rio de Janeiro

Relatório do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) indica que o policial militar Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), movimentou R$ 7 milhões entre 2014 e 2017. A informação é do colunista Lauro Jardim, do jornal O Globo.

Em 2014 e 2015, R$ 5,8 milhões teriam passado pela conta de Queiroz, além dos R$ 1,2 milhão movimentados entre janeiro de 2016 e janeiro de 2017, identificados no primeiro relatório. 

O motorista Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), disse em entrevista ao SBT que parte do R$ 1,2 milhão que movimentou vem de negócios como compra e venda de carros - Reprodução SBT

Procurada, a defesa de Fabrício Queiroz disse que não teve acesso a esses dados e que o discurso do Ministério Público era de que não havia informações sobre os anos anteriores. 

Até agora, nenhuma explicação detalhada sobre as transações foi dada por Queiroz ou por qualquer membro da família Bolsonaro. Queiroz afirmou que os depósitos são relativos a compra e venda de carros

O ex-assessor faltou a dois depoimentos no Ministério Público, alegando estar em tratamento de um câncer intestinal, e Flávio Bolsonaro faltou a um, dizendo que não havia tido acesso aos autos.

Uma semana depois, o ministro Luiz Fux, do STF (Supremo Tribunal Federal), suspendeu a investigação a pedido do filho de presidente. 

O senador eleito argumentou que tem foro especial perante o Supremo e que o Ministério Público do Rio produziu provas ilegalmente. O relator do caso, ministro Marco Aurélio Mello, decidirá sobre a competência da corte com o fim do recesso do Judiciário, que se encerra no dia 31 de janeiro. 

Segundo especialistas ouvidos pela Folha, a reclamação de violação do sigilo bancário não encontra respaldo na lei e na jurisprudência brasileira.  A lei brasileira permite a comunicação entre o Ministério Público e o Coaf, e questionamentos similares ao de Flávio foram rejeitados pelo STJ (Superior Tribunal de Justiça) e pelo STF (Supremo Tribunal Federal).

Nesta sexta-feira (18), o Jornal Nacional revelou que Flávio Bolsonaro está mais envolvido na investigação do que se imaginava inicialmente —ele teria recebido em sua conta R$ 96 mil de forma fracionada em um período de cinco dias, entre junho e julho de 2017. 

Segundo a reportagem, foram 48 depósitos no valor de R$ 2 mil, realizados em espécie no autoatendimento da agência bancária que fica dentro da Alerj (Assembleia Legislativa do Rio).

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.