Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Decisiva na cassação de Cunha, Tia Eron será secretária da Mulher no governo Bolsonaro

Deputada federal que não conseguiu se reeleger, ela é parte da bancada evangélica

Angela Boldrini
Brasília

A deputada federal Tia Eron (PRB-BA) é a nova secretária de Políticas Públicas para Mulheres do governo de Jair Bolsonaro (PSL).

Ela foi anunciada pela ministra Damares Alves (Mulher, Família e Direitos Humanos) em sua posse, nesta quarta-feira (2).

Tia Eron deu o voto de Minerva na decisão do Conselho de Ética que pediu a cassação do ex-presidente da Câmara e ex-deputado Eduardo Cunha (MDB-RJ) em 2016. 

A deputada Tia Eron (PRB-BA), após dar o voto que desempataria a votação em desfavor de Eduardo Cunha (MDB-RJ) no Conselho de Ética da Câmara, em junho de 2016
A deputada Tia Eron (PRB-BA), após dar o voto que desempataria a votação em desfavor de Eduardo Cunha (MDB-RJ) no Conselho de Ética da Câmara, em junho de 2016 - Pedro Ladeira - 18.jun.2016/Folhapress

Membro da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) à época, ela deu o voto que selou a aprovação do relatório que pedia a perda de mandato de Cunha, hoje preso. O texto foi aprovado por 11 votos a 9. 

Depois de protagonizar o episódio, Eron assumiu a secretaria de Promoção Social e Combate à Pobreza de Salvador, sob a gestão de ACM Neto.

Ela, que é parte da bancada evangélica da Casa, disputou as eleições de 2018, mas não conseguiu ser reeleita.

Em 2014, foi a segunda deputada federal mais votada em Salvador, onde foi vereadora por quatro mandatos consecutivos, sempre com votações expressivas.

Com o sucesso nas urnas, chegou a ser cotada para ocupar a vaga de vice do prefeito ACM Neto na campanha de 2016.

A deputada entrou na política em 2000 com o apoio da Universal, tornando-se a primeira mulher negra vereadora em Salvador.

Antes, ganhou notoriedade na igreja, onde atuou como professora da Escola Bíblica Infantil.

Ensinava para as crianças enquanto os pais frequentavam os cultos, e por isso ganhou o apelido de Tia Eron.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.