Fala de Bolsonaro sobre militares e democracia foi mal interpretada, diz Mourão

Em discurso para militares, presidente afirmou que democracia só existe se as Forças Armadas quiserem

Talita Fernandes
Brasília

O vice-presidente, general Hamilton Mourão, afirmou nesta quinta-feira (7) que a fala do presidente Jair Bolsonaro sobre Forças Armadas e democracia está sendo mal interpretada.

“[O presidente] está sendo mal interpretado. O presidente falou que onde as Forças Armadas não estão comprometidas com democracia e liberdade esses valores morrem. É o que acontece na Venezuela”, disse Mourão.

Em discurso para militares, Bolsonaro afirmou nesta quinta-feira (7) que vai governar ao lado "daqueles que respeitam a família" e afirmou que democracia só existe se as Forças Armadas "assim o quiserem".

O ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional, general Augusto Heleno, disse à TV Globo não ter visto polêmica na declaração de Bolsonaro. 

"Não achei polêmica. Não vejo nada demais na declaração. Ele estava fazendo um discurso para comemoração dos 111 anos do corpo de fuzileiros navais e ele falou o que todo mundo sabe: as Forças Armadas são o baluarte da democracia e da liberdade. Historicamente, em todos os países do mundo", afirmou.

O presidente fez um rápido discurso na cerimônia no 211º aniversário do Corpo de Fuzileiros Navais, na Fortaleza de São José da Ilha de Cobras, no centro do Rio de Janeiro. Ele descreveu sua vitória nas eleições do ano passado como uma missão.

“A missão será cumprida ao lado das pessoas de bem do nosso Brasil, daqueles que amam a pátria, daqueles que respeitam a família, daqueles que querem aproximação com países que têm ideologia semelhante à nossa, daqueles que amam a democracia. E isso, democracia e liberdade, só existe quando a sua respectiva Força Armada assim o quer”, afirmou Bolsonaro.

Mourão disse que a Venezuela é um caso em que as Forças Armadas "rasgaram" valores como democracia e liberdade.

Questionado sobre se a fala de Bolsonaro não teve tom ameaçador, Mourão negou e disse que o Brasil é um exemplo do comprometimento dos militares com esses princípios.

"Onde as Forças Armadas não são comprometidas com democracia e liberdade, elas não subsistem. Esta aí o nosso vizinho, a Venezuela, para mostrar isso ai."

Mourão não quis responder sobre outros temas, como postagens controversas de Bolsonaro durante o Carnaval.

Sobre as críticas feitas a ele pelo escritor Olavo de Carvalho –guru da nova direita brasileira– riu e disse apenas "beijinhos".

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.