Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Racha entre igrejas marca disputa na bancada evangélica, estratégica para Bolsonaro

Escolha de novo líder da frente na Câmara não chega a consenso e é adiada

Anna Virginia Balloussier
Rio de Janeiro

​O que antes acontecia “na paz de Deus” agora virou um “Deus nos acuda”.

Eis alguns dos termos que a Folha escutou para definir a eleição que definirá o próximo presidente de uma bancada que o governo Jair Bolsonaro vê como aliada fundamental no Congresso, a evangélica.

Deputados dessa frente reconhecem que a disputa em 2019 vem passando longe da cordialidade e do consenso visto em anos anteriores.

Jair Bolsonaro em encontro com a bancada evangélica antes de assumir a Presidência, em Brasília
Jair Bolsonaro em encontro com a bancada evangélica antes de assumir a Presidência, em Brasília - Rafael Carvalho - 28.nov.2018/Divulgação

A essa altura do campeonato, já era de se esperar que um nome tivesse despontado como favorito. Pleitos passados tiveram como praxe a aclamação de um candidato sem necessidade de descambar para rachas internos.

Não é o que se observa desta vez. Fala-se, inclusive, numa guerra de poderes que envolve algumas das maiores igrejas evangélicas do Brasil, que estariam tentando emplacar parlamentares que as representam em Brasília.

Dois nomes que circulam como possíveis candidatos, Cezinha de Madureira (PSD-SP) e Paulo Freire (PR-SP), são crias políticas dos dois maiores galhos daquela que, por sua vez, é a maior denominação evangélica do país, a Assembleia de Deus.

Cezinha é afilhado político do bispo Samuel Ferreira, do assembleiano Ministério Madureira. Pai de Samuel e ex-deputado, Manoel Ferreira já presidiu o bloco religioso, de 2008 a 2009.

Outro ex-líder da bancada (2013-14), Paulo é filho do pastor José Wellington Bezerra da Costa, líder do Ministério Belém.

No páreo tem ainda Sóstenes Cavalcante (DEM-RJ), protegido do pastor Silas Malafaia (Assembleia de Deus Vitória em Cristo), e Pastor Eurico (Patriota-PE). 

Um deputado antes visto como natural para a liderança, João Campos (PRB-GO), que esteve à frente da bancada entre 2015 e 2016 e é da mesma Madureira do recém-chegado Cezinha, tem dito que, por ora, desistiu da corrida. Sua lógica: se é pra ter briga, melhor nem entrar. Mas ainda é tido como um nome forte, caso os colegas cheguem a um entendimento.

Se nos bastidores só se fala no “barraco evangélico” com “tiro, porrada e bomba”, nas palavras de um assessor da frente, oficialmente os deputados adotam um discurso de cautela.

Exemplo: Lincoln Portela (PR-MG) é presidente interino do bloco nesta legislatura, já que o líder anterior, Hidekazu Takayama (PSC-PR), saiu após não se reeleger.

À Folha Portela diz que todos trabalham para chegar a um acordo. “O que a gente quer é exatamente isso, que não haja eleição, que haja, como sempre houve, o consenso.”

Pessoas ligadas à bancada afirmam, porém, que ele é um dos mais injuriados com o andar da carruagem, pois esperava ser estendido no cargo, já que tinha um acordo (descumprido) com o antecessor Takayama, que ficaria um ano como presidente, e Portela, outro. Agora, ele teria que ceder a vaga a quem for eleito.

Sóstenes é o que vem feito a campanha mais aberta pela presidência, mas lida com a ideia difundida de que seria apenas um garoto de recados de Malafaia, visto com ressalvas por parte do bloco cristão. 

“Como em todo segmento, existem pessoas recalcadas”, diz o congressista. “Talvez isso provoque incômodo em alguns, por [Malafaia] ser um pastor de reconhecimento internacional inclusive. Mas isso é natural em toda relação humana.”

“Lógico”, continua Sóstenes, “que sou pastor auxiliar da igreja dele, falo com ele no mínimo uma vez por semana. Mas, apesar de Malafaia ser um dos grandes responsáveis por eu ter um mandato, ele não fica ligando para dar orientações”. 

Pastor Eurico começa na linha apaziguadora, dizendo que os parlamentares evangélicos estão fazendo o possível para chegar a um “denominador comum” para “evitar concorrência interna”.

Logo ensaia uma explicação, reproduzida por outros colegas, para explicar o que desandou em 2019 naquele que “sempre foi um colegiado de amizade”. “Acontece que chegou muita gente novata. Fazer o que, né?”

Levantamento da Folha em outubro mostrou que o clamor por renovação que drenou o Congresso de seus quadros tradicionais não poupou a bancada evangélica. 

Entre os 82 dos chamados “membros ativos” da última composição da frente, 42 não se reelegeram. 

O atual bloco evangélico ainda não existe no papel —os deputados precisam antes colher o mínimo de 171 assinaturas para regularizá-lo nesta nova legislatura, como manda o protocolo sobre a criação de frentes parlamentares. Deputados de outras religiões costumam endossar a causa, mas não participam ativamente da bancada. 

A eleição para presidente da bancada também vem sendo postergada. A princípio falava-se em fevereiro, agora ela deve acontecer em março.

Para Marco Feliciano (Pode-SP), “com um governo conservador, é natural que muitos queiram presidir” o quinhão evangélico da Câmara, mas a contenda eleitoral não deveria afetar o principal, que é “defender princípios” da Bíblia, “da qual não desviamos um milímetro”.

A esse entendimento, ao menos, a bancada consegue chegar. “Nossas prioridades são as mesmas”, diz Pastor Eurico. Todas elas velhas conhecidas do núcleo conservador do Congresso, como ser em prol “da família” (compreendida exclusivamente como a união entre homem e mulher). 

“Não sou obrigado a aceitar que macho case com macho. Respeito convívio com homossexuais, mas cada um do seu lado. Não admito essa baderna.”

 

Os temas da bancada

Entre os assuntos sensíveis à bancada evangélica estão o projeto Escola sem Partido —para extirpar suposta doutrinação ideológica nas escolas —, o Estatuto do Nascituro, o Estatuto da Família —que reconhece como família apenas a união "entre um homem e uma mulher"— e a abordagem pela educação de temas ligados a gênero

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.