Filiado ao Novo, vice de Zema usa helicóptero de Minas após folga em spa de luxo

Em nota, o governador mudou discurso de campanha e diz que voos oficiais são 'imprescindíveis'

Belo Horizonte

​O vice-governador de Minas Gerais, Paulo Brant (Novo), usou um helicóptero do Estado para viajar entre Macacos, distrito de Nova Lima, na região metropolitana de Belo Horizonte, até a cidade de Ouro Preto no domingo (21). A informação foi confirmada pela assessoria do governo à Folha.

Hospedado em um spa de luxo com a esposa, o vice-governador viajou até a cidade histórica para acompanhar a cerimônia de entrega da medalha da Inconfidência Mineira, no dia de Tiradentes. As diárias no local variam entre R$ 670 e R$ 1.183.

De preto, o vice-governador de Minas Gerais, Paulo Brant (Novo), participa ao lado do governador Romeu Zema (Novo) de coletiva após vitória na eleição de 2018
De preto, o vice-governador de Minas Gerais, Paulo Brant (Novo), participa ao lado do governador Romeu Zema (Novo) de coletiva após vitória na eleição de 2018 - Carolina Linhares - 28.out.2018/Folhapress

Segundo a assessoria, além de Brant, estavam no voo sua esposa, Alexia Paiva, e o ajudante de ordens, Capitão Alencar.

"A justificativa para o uso do helicóptero é o fato do hotel estar na rota aérea para Ouro Preto onde aconteceu, neste domingo, a Cerimônia de Entrega da Medalha da Inconfidência", afirma a assessoria.

Em abril, Brant usou aeronaves oficiais quatro vezes, incluindo a viagem a Ouro Preto. Os outros destinos foram Ipatinga, Brasília e Brumadinho. 

O uso de aeronaves do Estado por outros governadores foi tratado como "farra" pelo governador Romeu Zema (Novo) durante a campanha. Porém, depois da divulgação do episódio com Brant por uma reportagem do jornal O Tempo, o governador alterou o discurso.

Em nota divulgada nesta terça, a assessoria de Zema diz que "levando em consideração questões de segurança, tempo e mobilidade chegou-se à conclusão de que o governador precisa locomover-se também em aeronaves do Estado", mas que isso será feito "respeitando o dinheiro público".

"O governador precisa de agilidade para se locomover. Tendo em vista a extensão territorial do estado, com 853 municípios, e uma agenda de compromissos extensa, conforme as necessidades do Estado, é imprescindível o uso das aeronaves oficiais", diz o texto.

A nota diz ainda que "o governador assumiu o compromisso de acabar com a frota aérea que ficava à disposição dos governantes e está fazendo isso". A assessoria afirma que foram vendidas duas aeronaves e transferidas outras duas para o Comando de Aviação do Estado da Polícia Militar de Minas Gerais. 

Na semana passada, o Portal da Transparência de Minas Gerais publicou dados sobre os voos do governador desde o início do mandato. Zema fez 16 viagens em aeronaves oficiais. Uma média de uma viagem a cada cinco dias. 

Dois voos tiveram como destino a cidade de Brumadinho —município onde ocorreu o rompimento de uma barragem da Vale, em janeiro, deixando 232 mortos e 40 desaparecidos até o momento. Os destinos mais frequentes foram Brasília e a cidade natal de Zema, Araxá, a 368 km de Belo Horizonte.

Também na semana passada, a Justiça de Minas Gerais extinguiu a ação que determinou bloqueio de R$ 11,5 milhões do ex-governador Aécio Neves (PSDB), onde a Promotoria pedia ressarcimento ao erário por voos durante o mandato que foram considerados como não tendo interesse público.

Em 2017, o então governador Fernando Pimentel (PT) sofreu críticas por usar uma aeronave oficial para uma viagem do filho durante o Réveillon. 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.