Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Se der errado, a culpa é de Bolsonaro, brinca Moro sobre perfil no Twitter

Ministro e presidente divulgaram a página durante transmissão que o presidente faz semanalmente nas redes sociais

São Paulo

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, afirmou nesta quinta (4) que a criação de um perfil pessoal no Twitter para informar ações da pasta foi incentivada pelo presidente Jair Bolsonaro.

Ao lado do presidente em vídeo ao vivo nas redes sociais, brincou: "se der errado, a culpa é dele [Bolsonaro]".

O presidente Jair Bolsonaro divulga em live o perfil no Twitter do ministro da Justiça, Sergio Moro
O presidente Jair Bolsonaro divulga em live o perfil no Twitter do ministro da Justiça, Sergio Moro - Reprodução/Facebook

Segundo Moro, a ideia ao criar o perfil é de se "comunicar de uma maneira mais moderna, nas redes sociais". O ministro afirmou que usará a plataforma principalmente para divulgar políticas públicas, e menos posições pessoais.

Em dez horas, a página pública @SF_Moro acumulou mais de 285 mil seguidores --quase o mesmo volume, por exemplo, que o perfil do ex-deputado Eduardo Cunha, preso por decisão do ex-juiz da Lava Jato, no ar desde 2010. 

Apesar de a conta na rede social ser verificada —ou seja, tem um selo azul que comprova sua autenticidade—, o ex-magistrado fez questão de mostrar aos seguidores que era ele mesmo o autor dos posts. Publicou uma selfie em que segura um calendário de mesa marcando com caneta a data do dia: 4 de abril de 2019. 

"Provando que esse twitter é meu mesmo (o que é um pouco inusitado)", explicou. 

A solução do ministro rendeu uma avalanche de respostas. "Que comecem os memes", escreveu um internauta em seguida. 

Ao lado de Bolsonaro, Moro ainda falou sobre operações de combate à pornografia infantil e ao plantio de maconha.

Além de Moro, participou da transmissão ao vivo o general Augusto Heleno, ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional.

Outros assuntos

Além da divulgação do novo canal de Moro no Twitter, Bolsonaro abordou outros assuntos na transmissão, com espaço especial para a viagem feita a Israel e seus resultados.

Também disse que seu governo cumpriu 95% das metas estipuladas para os seus cem primeiros dias, e que se empenharia para alcançar também os 5% restantes.

Na transmissão, o presidente fugiu de assuntos polêmicos que envolveram seu governo nos últimos dias. Ele não citou nenhuma palavra sobre a crise no Ministério da Educação, na qual militares já pressionam pela demissão do ministro Ricardo Vélez Rodriguez. Também não falou sobre as comemorações do 31 de março de 1964 e da declaração do Brasil junto à ONU de que o ato não foi um golpe militar. E ignorou a polêmica sobre ter dito em Israel que o nazismo foi um movimento de esquerda.


13º salário do Bolsa Família
Como uma das metas dos cem dias de governo, Bolsonaro afirmou que vai anunciar a criação do 13º salário para o Bolsa Família na próxima semana.

"Lá atrás o PT negou no Senado o projeto que tratava desse assunto. Então resolvemos aqui, pelo Executivo, tratar dele", disse o presidente. Segundo ele, os recursos para esse acréscimo virão do combate às fraudes no programa.

Parcerias com Israel e OCDE
Bolsonaro exaltou os acordos comerciais e protocolos de intenções firmados durante a visita, em áreas como tecnologia, inovação, psicultura e dessalinização da água.

“Acho que o presidente deixou bem claro a qualidade dessa parceria com Israel. Temos muito o que aprender com eles”, acrescentou o ministro Heleno.

Como dessa parceria com o país do Oriente Médio, Bolsonaro reafirmou que pretende fomentar a ida de estudantes brasileiros a Israel para que estes possam aprender técnicas de inovação em diferentes setores da ciência, tecnologia e agricultura.

​Bolsonaro citou ainda apoio do governo do premiê Binyamin Netanyahu ao ingresso do Brasil na OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico), uma das ambições externas de Bolsonaro. O presidente dos EUA, Donald Trump, já havia feito o mesmo, sob a contrapartida de o Brasil abrir mão de seu status especial na OMC (Organização Mundial do Comércio).

“São dois países de peso ao nosso lado para sairmos da situação de país em desenvolvimento para país desenvolvido. São apenas 36 países que compõem a OCDE e esperamos ser o 37º”, disse Bolsonaro.


Relação com países árabes
Citando encontro que a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, terá com representantes de países árabes na próxima semana, Bolsonaro afirmou que as relações comerciais com esse grupo serão potencializadas pelo Brasil.

"Os negócios com a comunidade árabe serão potencializados pelo Brasil. Queremos ampliar negócios com o mundo todo. Queremos colocar o Brasil no local de destaque que ele merece."

"Temos uma balança comercial com a comunidade árabe que nos interessa muito manter. Eles são nossos parceiros economicamente", complementou Heleno, refutando que a viagem a Israel afaste esses países do Brasil.
 

Isenção de vistos
Ainda na política externa, Bolsonaro falou da isenção unilateral de vistos de turista para cidadãos de Austrália, Canadá, Estados Unidos e Japão —a medida era uma reivindicação do setor do turismo no Brasil. E que os Estados Unidos podem fazer algo semelhante em relação ao Brasil no futuro.

"Essa proposta foi muito bem vinda. Falei com o Trump e ele disse que pretende fazer algo parecido no futuro, com regras obviamente".
 

Encontros com parlamentares e Previdência
Na cena política, o presidente citou os encontros que teve com parlamentares ao longo desta quarta-feira – nos quais, segundo ele, foram abordadas questões partidárias, governabilidade e a reforma da Previdência.

“Ao contrário do que parte da mídia disse ontem [na terça], não tratamos de cargos. Eles [os parlamentares e líderes políticos] querem colaborar com o Brasil”, disse.

Bolsonaro disse ainda que acredita no apoio do Congresso para aprovação da reforma da Previdência.

“O Parlamento vai fazer sua parte não só na reforma da Previdência, como em todas as nossas reformas”, disse. Ele se reuniu ao longo do dia com líderes do PRB, PSD, PSDB, DEM, PP e MDB.
 

Emenda Constitucional 81
Bolsonaro retomou uma promessa de campanha na qual afirmou que pretende mexer na Emenda Constitucional 81. Promulgada em 2014, ela altera o artigo 243 da Constituição e prevê que propriedades urbanas e rurais flagradas com trabalho escravo sejam desapropriadas e destinadas à reforma agrária e a programas de habitação popular. Até então, essa regra valia apenas para propriedades em que fossem encontradas cultivo de "plantas psicotrópicas".

Segundo Bolsonaro, essa mudança na Constituição —que ficou conhecida como PEC do Trabalho Escravo— relativiza a propriedade privada. E prometeu tratar do tema com a ministra Tereza Cristina durante encontro na próxima semana.​

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.