Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Bolsonaro fala em 'Brasil de todas as religiões' 1 dia após aceno a evangélico no STF

Nas redes sociais, presidente também publica vídeo de católicos em manifestação

São Paulo e Brasília

Um dia depois de questionar se "não está na hora de termos um ministro do STF evangélico", o presidente Jair Bolsonaro (PSL) fez menção neste sábado (1º) a um "Brasil de todas as religiões" e compartilhou em redes sociais um vídeo com referências católicas.

"O Brasil de todas as religiões sabe que a liberdade é o bem maior de um povo. Brasileiro, olhe o que Israel não tem e o que eles são", publicou Bolsonaro, que visitou o país de maioria judaica em abril.

"Veja o que nós no Brasil temos, e o que não somos. Juntos, com fé, muito trabalho e oração, colocaremos nossa Pátria no local destaque que merece", completou.

Bolsonaro se declara católico, mas acompanha a mulher, Michelle, que é evangélica, em alguns cultos.

No dia anterior, o presidente participou da Convenção Nacional das Assembleias de Deus no Brasil ao lado do governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM).

O assunto STF (Supremo Tribunal Federal) foi abordado por Bolsonaro quando ele mencionou o julgamento sobre a criminalização da homofobia. “Existe algum entre os 11 ministros do STF evangélico, cristão?”, indagou.

Ainda na noite de sexta (31), em redes sociais, o presidente voltou ao tema escrevendo: "O Estado é laico, mas eu sou cristão. Não está na hora de o Supremo ter um ministro evangélico?".

Neste sábado, ao deixar o Palácio da Alvorada, Bolsonaro perguntou a apoiadores reunidos se eles haviam gostado do “evangélico no Supremo”.

Mais tarde, ao deixar almoço na casa de um colega militar, o presidente afirmou que falaria o nome do indicado ao STF no final do próximo ano e se esquivou sobre a indicação do ministro Sergio Moro (Justiça) ao órgão.

“Eu sempre falei, durante a pré-campanha e a campanha, que queria alguém no Supremo do perfil do Moro. Mas nada além disso.”

A referência a "todas as religiões" foi feita por Bolsonaro neste sábado em postagem acompanhada de um vídeo do Centro Dom Bosco, entidade de fiéis católicos, com cenas de pessoas com terços nas mãos e rezando a Ave Maria, durante uma manifestação favorável ao presidente.

 
"Quanta alegria nesta primeira manhã após o mês de maio ver Nossa Senhora estampada na página de nosso presidente Jair Messias Bolsonaro!", publicou o centro em seu perfil nas redes sociais.
 

A indicação de ministros do Supremo é uma atribuição do presidente da República, que depois precisa ser aprovada pelo Senado. Até o final de seu mandato, Bolsonaro poderá indicar ao menos dois deles.

O primeiro ministro do Supremo que deve deixar a corte é o decano Celso de Mello, que completa 75 anos —a idade de aposentadoria obrigatória— em novembro de 2020. A segunda vaga no STF deve ficar disponível com a aposentadoria de Marco Aurélio Mello, em julho de 2021.

Na sexta, pedindo desculpas ao STF, a quem disse que não pretendia atacar, Bolsonaro ainda disse: “Desculpa o Supremo. Eu jamais atacaria um outro Poder, mas não estão legislando?”

Em nova crítica à imprensa, o presidente afirmou: “Não me venha a imprensa dizer que quero misturar a Justiça com religião”.

Bolsonaro encerrou o discurso de 17 minutos sob fortes aplausos e gritos de “mito”, que por algumas vezes interromperam sua fala. “A palavra, a fé, tem que estar presente em cada instituição do Brasil”, disse.

Depois da fala, o ministro do Supremo Alexandre de Moraes rebateu o presidente, num evento em São Paulo. 

"Não há nada de legislar. O que há é a aplicação, a efetividade da Constituição, [que é] protetiva de uma minoria que no Brasil sofre violência tão somente por sua orientação sexual", afirmou Moraes.

"O Brasil é o quarto país do mundo com maior índice de agressões a pessoas tão somente em virtude de sua orientação sexual. Não é possível continuar com isso", diz o magistrado.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.