Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Bolsonaro compra motocicleta e preocupa segurança presidencial

O presidente buscará modelo Honda 750 assim que retornar ao Brasil de viagem à Ásia

Gustavo Uribe
Tóquio

Com a recorrente queixa de que vive em uma espécie de "prisão domiciliar sem tornozeleira eletrônica", o presidente Jair Bolsonaro comprou uma motocicleta do modelo Honda 750 para dirigir aos finais de semana pela capital federal.

O programado é que ele busque o veículo de cor azul em uma concessionária de Brasília no dia 2 de novembro, assim que retornar de viagem de mais de dez dias ao continente asiático. No Rio de Janeiro, ele tinha uma motocicleta modelo XL350.

O presidente Jair Bolsonaro com moto na área do Palácio da Alvorada, em Brasília
O presidente Jair Bolsonaro com moto na área do Palácio da Alvorada, em Brasília - Bernardo Caram

Bolsonaro costuma se incomodar com o rigor dos procedimentos de segurança da Presidência da República, que limitam o deslocamento do presidente. Cada vez que ele deixa o Palácio da Alvorada, por exemplo, precisa ser acompanhado por carros de apoio e por uma ambulância, caso apresente problemas de saúde.

A compra da motocicleta gerou preocupação no GSI (Gabinete de Segurança Institucional) sobre a possibilidade de o presidente "escapar" sem o acompanhamento do aparato de segurança. Ele combinou com a pasta ministerial, no entanto, que só irá utilizar o veículo dentro da área da residência oficial. 

"No dia 2 agora, vou buscar a minha Honda lá em Brasília para andar dentro do Palácio do Alvorada. A segurança acha que vou dar umas fugidas", contou o presidente a um pequeno grupo de jornalistas que o acompanharam em café da manhã durante viagem ao Japão.

O veículo foi comprado no final do mês passado, mas não foi entregue porque não havia modelo disponível na cor que o presidente queria. A concessionária chegou a enviar uma versão vermelha para que ele testasse, e a motocicleta ficou à sua disposição por três dias.

"Eu era muito feliz com a minha moto no Rio de Janeiro. Não é fácil ser motociclista no Rio de Janeiro. É pior do que em São Paulo", afirmou.

Em abril, em viagem a Guarujá, no litoral paulista, o presidente chegou a andar de motocicleta pelas ruas do município. Em trechos de um vídeo distribuído a jornalistas, ele circulou com o capacete levantado e apoiado na sua testa, o que configuraria uma infração de trânsito.

 
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.