Conheça os investigados pela PF por suspeita de hackear contas de autoridades

Passaram 75 dias desde as primeiras prisões da Operação Spoofing; PF caminha para 3ª fase

Brasília

Com duas fases da Operação Spoofing deflagradas, a Polícia Federal prendeu seis suspeitos da invasão de contas de Telegram de autoridades. Cinco continuam detidos. Quatro prisões aconteceram em 23 de julho e outras duas em 19 de setembro.

A apuração busca esclarecer se há pessoas acima das já identificadas no esquema, continua à procura de eventual pagamento pela divulgação das mensagens da Lava Jato e quer garantir que todo o conteúdo capturado de autoridades tenha sido recuperado.

Saiba quem são os investigados e quais as suspeitas sobre eles.

Walter Delgatti Neto, suspeito de hackear celulares de autoridades - Reprodução

Walter Delgatti Neto - (preso em 23.jul) - Apontado como o principal suspeito de ter invadido contas de Telegram de autoridades. Disse à PF que atuou sozinho e repassou as mensagens ao jornalista Glenn Greenwald, do site Intercept, de forma anônima, voluntária e sem receber dinheiro. Também é suspeito de ter cometido fraudes bancárias

Thiago Eliezer  Martins Santos - (preso em 19.set) - É suspeito de ter ensinado a Delgatti como fazer as invasões. PF aponta que, ao menos, ele sabia dos hackeamentos. Também é suspeito de envolvimento em fraudes eletrônicas anteriores

Luiz Henrique Molição - (preso em 19.set) - Colega de classe de Delgatti num curso de direito em Ribeirão Preto (SP), é suspeito de ter feito boa parte dos contatos com o jornalista Glenn a pedido do hacker. Para a PF, Molição colaborou com parte das invasões ou ao menos sabia bastante sobre elas

Danilo Marques - (preso em 23.jul) - Amigo de Delgatti, é suspeito de emprestar seu nome para o hacker alugar uma casa em Ribeirão Preto (SP), contratar serviços de internet e abrir uma conta bancária. Pode não ter participado do hackeamento, mas soube que Delgatti divulgou as mensagens. É suspeito de fraudes eletrônicas e bancárias

Gustavo Henrique Elias Santos, 28, o DJ Guto Dubra, preso sob suspeita de ter hackeado o celular do ministro Sergio Moro
Gustavo Henrique Elias Santos, 28, o DJ Guto Dubra, preso sob suspeita de ter hackeado o celular do ministro Sergio Moro - Reprodução

Gustavo Henrique  Elias Santos - (preso em 23.jul) - Amigo de Delgatti de Araraquara (SP), cidade natal de ambos, não há informações, por ora, de que tenha participado das invasões de Telegram. É suspeito de fraudes bancárias

Suelen Oliveira - (presa em 23.jul  e solta em 2.out) - Mulher de Elias Santos, não teria participado dos hackeamentos. É suspeita de ser parceira do marido em fraudes bancárias

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.