Folha é excluída de clipping do Itamaraty após ataque de Bolsonaro

Material acessado por equipe incluía notícias de diversos veículos; pasta virou bunker ideológico, diz professor da FGV

São Paulo

O Itamaraty retirou a Folha do clipping diário de notícias acessado diariamente pelos funcionários do ministério.

O clipping reunia notícias de diversos veículos de mídia nacionais e internacionais, e a Folha passou a ser o único dos grandes jornais que não está incluído.

Segundo o Ministério das Relações Exteriores, a Folha foi excluída por causa da determinação do presidente Jair Bolsonaro (PSL) de cancelar as assinaturas do jornal feitas pelo governo federal.

Na quinta-feira (31), Bolsonaro afirmou que havia determinado o cancelamento de todas as assinaturas da Folha no Executivo. Em tom de ameaça, o presidente também disse que os anunciantes do jornal "devem prestar atenção".

O presidente Jair Bolsonaro, durante transmissão na internet em que anunciou cancelamento de assinaturas do jornal
O presidente Jair Bolsonaro, durante transmissão na internet em que anunciou cancelamento de assinaturas do jornal - Reprodução - 31.out.19/Facebook

"Determinei que todo o governo federal rescinda e cancele a assinatura da Folha de S.Paulo. A ordem que eu dei [é que] nenhum órgão do meu governo vai receber o jornal Folha de S.Paulo aqui em Brasília. Está determinado. É o que eu posso fazer, mas nada além disso", disse, em entrevista à TV Bandeirantes.

"Espero que não me acusem de censura. Está certo? Quem quiser comprar a Folha de S.Paulo, ninguém vai ser punido, o assessor dele vai lá na banca e compra lá e se divirta. Eu não quero mais saber da Folha de S.Paulo, que envenena o meu governo a leitura da Folha de S.Paulo."

Questionado pelo apresentador José Luiz Datena se seria uma forma de censura, o presidente respondeu: "Não é uma forma de censura, nada".

Mais tarde, em live nas redes sociais, Bolsonaro voltou ao tema e ameaçou anunciantes do jornal.

"Não vamos mais gastar dinheiro com esse tipo de jornal. E quem anuncia na Folha de S.Paulo presta atenção, está certo?", disse.

O clipping é uma seleção diária de notícias referentes à política externa do país elaborada pela assessoria de imprensa do Itamaraty. Ele fica disponível na rede interna e pode ser acessado por todos os funcionários do ministério.

Para o embaixador Rubens Ricupero, que esteve à frente da embaixada em Washington e é historiador da diplomacia, ao suprimir alternativas de informação, o governo reduz a capacidade dos diplomatas de tomarem decisões certas.

“Todos os postos diplomáticos no mundo acessam este clipping, é uma fonte de informação primordial para acompanhar a realidade do país”, diz Ricupero.  

“É a lógica das mídias sociais –você bloqueia quem está em desacordo e fica vivendo em sua bolha, sem nenhuma crítica”, afirma.

Para Guilherme Casarões, cientista político e professor da FGV EAESP, a atitude do Itamaraty revela duas características do governo.

“A primeira é a gestão extremamente personalista, em que a antipatia contra a imprensa profissional, crítica e independente é razão suficiente para ameaças e boicotes governamentais”, diz Casarões.

“A segunda é a transformação do Itamaraty numa espécie de bunker ideológico do bolsonarismo, em que as tendências mais canhestras do governo são potencializadas, para espanto não só da maioria dos diplomatas, mas de interlocutores internacionais, que não imaginavam que o governo fosse perseguir a imprensa dessa maneira.”

Oliver Stuenkel, professor de Relações Internacionais da FGV, aponta que a Folha traz informações que não são encontradas em outros veículos.

“Além de ter colunistas que trazem perspectivas importantes, a Folha é um dos poucos jornais brasileiros que têm correspondentes no exterior, o que é essencial neste momento atual de instabilidade política na região”, afirma.

“Além disso, há a preocupação de que possa ocorrer com outros jornais, ou seja, não contribui para um ambiente de livre troca de ideias.”

Após Bolsonaro determinar o cancelamento de assinaturas do jornal feitas pelo governo federal, a Folha afirmou, em nota, que “lamenta mais uma atitude abertamente discriminatória do presidente da República contra o jornal e vai continuar fazendo, em relação a seu governo, o jornalismo crítico e apartidário que a caracteriza e que praticou em relação a todos os outros governos”.

“Se confirmada, a decisão de Bolsonaro configura uma violação dos princípios constitucionais da moralidade e da impessoalidade na administração pública”, afirmou na ocasião Luís Francisco Carvalho Filho, advogado da Folha.

"Trata-se de atitude típica de governos totalitários. Chávez e Maduro, por irônica que seja a comparação, fizeram exatamente a mesma coisa com a imprensa na Venezuela. Os veículos todos são ameaçados, não apenas a Folha", disse Taís Gasparian, também advogada do jornal.

Uma semana antes, o presidente dos EUA, Donald Trump, havia determinado que as agências federais do país cancelassem as assinaturas dos jornais The New York Times e The Washington Post por discordar da cobertura que as duas publicações fazem de seu governo.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.