PM diz que recebeu de Flávio R$ 16 mil em dinheiro vivo como devolução de empréstimo

Alvo de operação, policial afirma ainda que repasses para loja do filho do presidente foi para comprar panetones

Rio de Janeiro

Amigo de Flávio Bolsonaro desde 2010, o policial militar Diego Sodré Ambrósio afirma que o filho mais velho do presidente Jair Bolsonaro pagou a ele R$ 16,5 mil em dinheiro vivo para reembolsá-lo de um empréstimo feito no dia 3 de outubro de 2016. O dinheiro não foi depositado na conta de Ambrósio.

O sargento foi um dos alvos da operação deflagrada pelo Ministério Público na quarta-feira (18). A Promotoria apontou indícios de lavagem de dinheiro ao detectar que Ambrósio fez o pagamento de uma prestação de um imóvel adquirido por Flávio e sua esposa, no valor de R$ 16.564.

O PM Diego Sodré Ambrosio - Diego Ambrosio no Facebook

Para pagar o boleto bancário em nome de Fernanda Bolsonaro, mulher do senador, Ambrósio recorreu ao cheque especial da sua conta pessoal. Como já havia um saldo negativo de quase R$ 5.000, o buraco em sua conta chegou a R$ 21.147,68.

Para cobri-lo, o sargento fez uma transferência de R$ 20.450 da conta de sua empresa de vigilância, a Santa Clara Serviços. Ambrósio diz que Flávio o ressarciu em espécie, mas preferiu não depositar o dinheiro na conta, pagando os gastos da empresa com ele.

O sargento afirma, porém, que esse é um “fato corriqueiro na relação de amigos de dez anos”. Ele disse ainda que "é pouco" que tenha ocorrido uma única vez em uma amizade tão duradoura. Questionado sobre o montante vultoso, ele afirma que a avaliação de valores é subjetiva.

Ambrósio diz que o empréstimo ocorreu durante um churrasco após a derrota amargada por Flávio na corrida pela Prefeitura do Rio. “Foi uma campanha muito dolorosa”, diz.

Segundo ele, amigos e integrantes do comitê da campanha estavam reunidos no escritório político da família, em Bento Ribeiro, quando Flávio lembrou-se da necessidade de pagar a prestação do imóvel. 

“Não lembro se era um problema de rede ou se ele teria mesmo que ir ao banco, mas me ofereci para pagar [pelo aplicativo]”, relata o PM.

De lá, Ambrósio levou Flávio para seu apartamento. Ele diz não lembrar se Flávio devolveu o dinheiro logo ao chegar em casa ou no dia seguinte. “Ele me reembolsou. O dinheiro não está na nuvem”, diz ele.

Dono de uma empresa de mão de obra terceirizada para condomínios na zona sul do Rio, especialmente Copacabana, Ambrósio reagiu ao fato de a Promotoria ressaltar que ele era cabo à época do empréstimo e que a remuneração líquida do policial militar como 3º sargento corresponde a um terço do valor do título pago. “Tenho outras fontes de renda. Ganho bem mais.”

Para embasar a operação, que também atingiu Flávio e o ex-assessor Fabrício Queiroz, o MP-RJ também apontou transferências bancárias de Ambrósio para dois assessores da Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro), Fernando Nascimento Pessoa e Marcos de Freitas Domingos.

Foram detectadas ainda transferências do policial militar e de sua empresa, a Santa Clara Serviços de Vigilância, para a conta corrente da loja Kopenhagen de Flávio Bolsonaro

O senador Flávio Bolsonaro e o presidente Jair Bolsonaro - Ueslei Marcelino/Reuters

"Restam fundadas suspeitas de que Diego Sodré de Castro Ambrósio tenha participação em atos de lavagem dos recursos ilicitamente desviados do orçamento da Alerj, usando tanto suas contas pessoais quanto as da empresa da qual é sócio", escreveu a Promotoria na peça que justificou as medidas cautelares.

O militar afirma que compra cerca de cem panetones por ano para distribuir a síndicos de prédios, fornecedores e colaboradores nas festas de fim de ano. “Foi uma maneira de ajudar um amigo que acabava de abrir uma empresa”, justificou, enviando à reportagem fotos de caixas de panetone.

No documento, o Ministério Público também citou que Ambrósio foi objeto de uma investigação da Corregedoria Interna da Polícia Militar.

Reportagens publicadas em abril de 2016 revelaram que moradores de Copacabana estavam sendo assediados por policiais a contratarem serviço de segurança privada para retirar moradores de rua das calçadas dos condomínios que contratassem a empresa. Uma dessas empresas era a Santa Clara Serviços de Vigilância, pertencente a Ambrósio.

Ele afirma que o inquérito militar foi arquivado seis meses após instaurado e que ele próprio levou o caso à Corregedoria.

Ambrósio conheceu Flávio por intermédio de um amigo, também policial e de quem diz não lembrar, durante a campanha de 2010, quando organizou um encontro dele com policiais militares. Então deputado, o hoje presidente Jair Bolsonaro participou do encontro.

Desde então, participa das campanhas de Flávio. Em 2018, chegou a usar seu carro blindado para levar Flávio a atividades de campanha. A comemoração da vitória do senador aconteceu no prédio de Ambrósio, um condomínio-clube, no Recreio dos Bandeirantes.

Em relação às transferências para Fernando, Ambrósio diz estar pagando por serviços de design gráfico. Sobre Domingos, um policial que conhece há 12 anos, ele afirma que o depósito destinava-se a pagar por uma caixa de som comprada pelo amigo a seu pedido.

Além da empresa, Ambrósio está lotado desde julho na comissão de Servidores Públicos da Alerj.

Ele foi nomeado pelo presidente da comissão, Bruno Dauaire (PSC). Amigo de Flávio desde os tempos da faculdade, Dauaire afirma ter convidado Ambrósio para ajudar nas pautas de defesa dos policiais. "Ele tem sido importante na articulação com a tropa em demandas da categoria. Não tem nada que desabone a conduta dele no trabalho."

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.