Descrição de chapéu Coronavírus

Alcolumbre reage a pronunciamento de Bolsonaro e diz que país precisa de um líder sério

Presidente do Senado considerou graves as declarações do chefe do Executivo, que criticou a política de isolamento contra o coronavírus

Brasília

Após o pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) na noite desta terça-feira (24), o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), disse que o Brasil precisa de uma liderança séria, responsável e comprometida com a vida e a saúde da população.

Alcolumbre, que está em isolamento por ter sido infectado pelo coronavírus, assina a nota com o vice-presidente do Senado, Antonio Anastasia (PSDB-MG).

Ele afirma que "a nação espera do líder do Executivo, mais do que nunca, transparência, seriedade e responsabilidade".

Em seu terceiro pronunciamento em rádio e televisão sobre a crise do novo coronavírus, Bolsonaro criticou o fechamento de escolas para combater a epidemia, atacou governadores e culpou a imprensa pelo que considera clima de histeria instalado no país.

"Neste momento grave, o país precisa de uma liderança séria, responsável e comprometida com a vida e a saúde da sua população. Consideramos grave a posição externada pelo presidente da República hoje [terça], em cadeia nacional, de ataque às medidas de contenção à Covid-19. Posição que está na contramão das ações adotadas em outros países e sugeridas pela própria Organização Mundial da Saúde", diz a nota da cúpula do Senado.

"Reafirmamos e insistimos: não é momento de ataque à imprensa e a outros gestores públicos. É momento de união, de serenidade e equilíbrio, de ouvir os técnicos e profissionais da área para que sejam adotadas as precauções e cautelas necessárias para o controle da situação, antes que seja tarde demais", afirmou.

Parlamentares reagiram com perplexidade e irritação ao pronunciamento de Bolsonaro.

A presidente da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) no Senado, Simone Tebet (MDB-MS), se mostrou perplexa após o pronunciamento. "Adianta comentar?", respondeu à Folha quando procurada.

Já o líder da minoria no Senado, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), afirmou que Bolsonaro superou “todos os limites da irresponsabilidade”.​

“O presidente dobrou a aposta do discurso lunático e colocou em xeque as políticas de isolamento defendidas pelo seu próprio ministro da Saúde”, afirmou o deputado Kim Kataguiri (DEM-SP). “Em vez de propor soluções, preferiu atacar a imprensa, os governadores e fazer piada em rede nacional. Tragédia anunciada."

Irresponsável e inconsequente também foram os adjetivos escolhidos pela ex-líder do governo no Congresso, deputada Joice Hasselmann (PSL-SP), para descrever o presidente.

“O Brasil precisa de um LÍDER com sanidade mental. Todas as chances que o PR teve de acertar ele mesmo jogou fora. ERRA E SE ORGULHA DO ERRO ESTÚPIDO”, escreveu em uma rede social.

Ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) e do STJ (Superior Tribunal de Justiça) ficaram atônitos com o pronunciamento. Avaliam que a postura do governo é "errática". Um ministro do Supremo diz que o presidente dobra a aposta ao propor o fim de medidas restritivas, indo na contramão do mundo.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.