Descrição de chapéu Coronavírus

Com coronavírus, Alcolumbre passa a madrugada internado em hospital de Brasília

Resultado positivo em presidente do Senado foi divulgado na quarta-feira (18)

Brasília

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), 42, passou a madrugada desta quinta-feira (19) internado na unidade do Hospital Sírio-Libanês em Brasília. A informação foi confirmada pela assessoria de imprensa de Alcolumbre.

Segundo a assessoria da presidência do Senado, Alcolumbre realizou uma tomografia para acompanhar a evolução do coronavírus, confirmado um dia antes em exame.

Por recomendação médica, ainda segundo a assessoria, o senador ficou em observação no local e recebeu alta na manhã desta quinta-feira (19). "O presidente do Senado permanecerá em casa, em isolamento, de acordo com as orientações médicas", completa a nota do Senado.

Segundo pessoas próximas ao senador, na noite de quarta, ele começou a ter dificuldade para respirar e foi aconselhado por seu médico a ir ao hospital fazer uma tomografia do pulmão. Diante do resultado do exame, ficou internado para observação.

O senador Nelsinho Trad (PSD-MS), 58, que, assim como Alcolumbre, está com coronavírus, também está internado no mesmo hospital, segundo sua assessoria.

De acordo com a assessoria de Trad, o senador realizou tomografia de tórax e não apresentou sinais de gravidade.​

​​Alcolumbre havia feito um teste na semana passada com resultado negativo. Acometido de um resfriado que piorou ao longo desta semana, o presidente do Senado refez o teste na noite de terça-feira (17). Na quarta, o resultado positivo para a Covid-19 foi divulgado pela assessoria de imprensa do senador.

Na segunda-feira (16), Alcolumbre participou de uma reunião com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), o presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Dias Toffoli, outros cinco ministros da corte —Luiz Fux, Rosa Weber, Gilmar Mendes, Cármen Lúcia, Luís Roberto Barroso—, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, e o advogado-geral da União, André Mendonça.

Ele havia feito o primeiro teste na noite de quinta-feira passada (12) porque havia tido contato, ao longo da semana, com mais de 20 ministros, parlamentares e assessores que estiveram com o presidente Jair Bolsonaro em viagem aos Estados Unidos, no início de março —19 integrantes da comitiva já foram diagnosticados com a Covid-19.

O presidente da Apex-Brasil (Agência Brasileira de Promoção de Exportações‎​), Sergio Segovia, é o mais recente integrante da comitiva presidencial que foi à Flórida a ter a confirmação de que foi infectado.

Segovia realizou um primeiro exame na sexta-feira (13), que não detectou o vírus. Seguindo o protocolo, ele fez uma segunda análise na quarta (18), que confirmou a infecção.

Apesar de ter feito parte da missão que acompanhou Bolsonaro aos Estados Unidos, Segovia não viajou com o mandatário no avião presidencial.

Já o segundo teste de coronavírus do ministro Ernesto Araújo (Relações Ecteriores) deu resultado negativo. A informação foi confirmada pelo Itamaraty. Desde que retornou da Flórida, Araújo cumpre período de isolamento em sua casa. Seu primeiro exame também não detectou a presença do vírus.

​Nesta quinta, o suplente do senador Cid Gomes (PDT-CE), Prisco Bezerra (PDT-CE), 47, foi diagnosticado com a Covid-19. Ele é o terceiro parlamentar com coronavírus no Senado.

Em nota, a assessoria de Prisco informou que ele realizou o teste após apresentar tosse e febre.

"O senador passa bem e, por medida de precaução, antes mesmo de conhecer o resultado, já estava isolado, em quarentena, trabalhando em regime de home office", informou a assessoria do senador.

Apesar do quadro, de sua casa, no Ceará, ele participará da primeira sessão remota do Senado, na manhã desta sexta (20), para votar o pedido de decretação de calamidade pública nacional por causa da pandemia de coronavírus.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.