Descrição de chapéu Coronavírus

Panelaços são registrados em diferentes pontos de SP diante de possível demissão de Mandetta

Protestos contra Bolsonaro se tornaram diários há três semanas em meio à pandemia do coronavírus

São Paulo

Bairros de São Paulo tiveram panelaços contra o presidente Jair Bolsonaro durante a tarde desta segunda-feira (6) em meio a notícias sobre a possível demissão do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta.

Em Santa Cecília, na região central, a manifestação começou após as 16h30 e incluiu gritos de "fora" e de "Bolsonaro genocida".

No edifício Copan, também no centro, houve gritos de "ignorante”. Também houve panelaço na Consolação (centro) e em Pinheiros, na zona oeste.

Em Higienópolis, bairro nobre na região central, um ensaio de manifestação ocorreu nos arredores da avenida Angélica, com gritos de "Fora, Bolsonaro" e o som de panelas e cornetas.

Também houve panelaço à tarde, em volume bem menor do que em outros dias, em Ipanema, na zona sul do Rio.

Os panelaços contra o presidente em capitais pelo país começaram no último dia 17 e têm se repetido todas as noites desde então por volta das 20h.

Os atos foram mais intensos nas ocasiões em que Bolsonaro se pronunciou em rede nacional na TV, nos últimos dias 24 e 31.

Neste domingo (5), o presidente, sem se referir a Mandetta, ameaçou demitir integrantes do governo que viraram estrelas.

A aprovação do Ministério da Saúde na gestão da crise do coronavírus, segundo pesquisa Datafolha divulgada na última sexta-feira (3), é mais do que o dobro da registrada por Bolsonaro. Governadores e prefeitos também têm avaliação superior à do presidente.

O número de mortos pela Covid-19 no país chegou a 533 nesta segunda-feira (6), segundo boletim do Ministério da Saúde, com 67 novas mortes nas últimas 24 horas. São 12.056 casos confirmados.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.