PT decide não aderir ao 'fora, Bolsonaro' em meio à pandemia do coronavírus

Ex-presidente Lula endossa posição majoritária no partido, que irá cobrar do governo ações de enfrentamento à Covid-19

São Paulo

Após reunião de sua cúpula nesta quinta-feira (9), o PT definiu que não é o momento de aderir ao "fora, Bolsonaro". O foco do partido continua na pandemia do coronavírus, com defesa do isolamento social e cobranças para que o governo federal aja na proteção aos mais vulneráveis.

O grito de "fora, Bolsonaro" já é adotado por parte da esquerda —nesta quarta (8), as frentes Povo Sem Medo e Brasil Popular passaram a defender a saída do presidente. "Derrotar Bolsonaro é fundamental para enfrentar o coronavírus", escreveram em nota.

Já o Partido dos Trabalhadores vê esse movimento como legítimo, mas não endossa o coro. "O PT tem o sentimento de apoiar manifestações do campo popular, se solidariza, entende por que as pessoas fazem panelaço", afirma o ex-deputado Jilmar Tatto, secretário de comunicação da sigla.

Segundo Tatto, os petistas também querem Bolsonaro fora, mas a questão da pandemia se impõe atualmente. "Bolsonaro não serve para o país, não tem mais condições de governar, está isolado. Mas agora o povo não está na rua, porque não pode. O Congresso não está se reunindo."

Dirigentes do partido entendem que as condicionantes para um impeachment não estão presentes neste momento: um crime de responsabilidade caracterizado por juristas, vontade e mobilização popular, além de maioria no Congresso.

Pesquisa Datafolha revelou que 59% dos brasileiros dizem ser contra a renúncia de Bolsonaro. E que 17% dos seus eleitores estão arrependidos do voto.

Em relação ao crime de responsabilidade, embora petistas vejam atitudes de Bolsonaro que se enquadrem nessa categoria, a avaliação é a de que falta materialidade jurídica, ou seja, que entidades do mundo jurídico caracterizem precisamente esses crimes.

A posição majoritária da cúpula do PT em relação ao impeachment é endossada pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que participou da reunião. Uma minoria presente foi a favor de que o partido adotasse a defesa do "fora, Bolsonaro".

Também há a avaliação, já expressada por Lula em entrevistas, de que o PT não deve buscar agora construir politicamente a viabilidade do impeachment e que as energias devem estar a serviço de conter a pandemia.

"Temos que cobrar que o governo implemente as propostas do Congresso. Que dê crédito às pequenas e médias empresas. Salvar vidas é a maior preocupação. E que as pessoas tenham o mínimo para comer", diz Tatto. Ele afirmou ainda que o PT vai intensificar uma rede de solidariedade, junto com as frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo, para ajudar os vulneráveis durante a crise.

Nesta sexta (10), o PT divulgou a resolução que foi aprovada na reunião. "O Partido dos Trabalhadores se soma à indignação de parcelas crescentes do povo brasileiro que sentem repulsa pelas atitudes medievais de Bolsonaro e seu clã e repudiam a omissão e inépcia de seu governo, que coloca em risco o intenso esforço feito por governadores, prefeitos, pelo Congresso Nacional, por toda a sociedade, e em especial pelo povo trabalhador do nosso país para se resguardar e combater o coronavírus e suas consequências mortais assim como o seu forte impacto econômico para as famílias brasileiras", diz o texto.

"Portanto, compreendemos e respeitamos as manifestações de panelaço e indignação, e os gritos de 'fora Bolsonaro', 'basta', 'chega', e todo tipo de expressão de inconformismo com essa verdadeira milícia pré-histórica que nos desgoverna, e reafirmamos a posição conjunta do PT e dos demais partidos de esquerda que, em manifesto, reivindicaram a saída de Bolsonaro da Presidência da República", continua.

"Mas, como um partido que tem como seu objetivo principal a defesa da vida do povo, queremos afirmar que a prioridade na conjuntura imediata é focar toda a nossa energia no combate à pandemia do coronavírus e continuar apresentando propostas para fortalecer a saúde pública e garantir a renda dos trabalhadores formais e informais, a existência material de suas famílias, assim como a sobrevivência das micro, pequenas, médias e grandes empresas e dos empregos que elas geram", afirma a resolução.

Os partidos de esquerda e centro-esquerda PT, PSOL, PDT, PSB, PC do B e Rede já assinaram um manifesto em que afirmam que Bolsonaro não tem condições de seguir governando e deveria renunciar.

Já a tese do impeachment foi abraçada por parlamentares do PSOL, que apresentaram um pedido à Câmara.

Nesta quinta pela manhã, durante parte da reunião transmitida pela internet, Lula evitou falar sobre saídas ao governo Bolsonaro, como renúncia ou impeachment. O ex-presidente afirmou que iria esperar as discussões internas sobre isso, feitas à tarde e sem transmissão, para dar sua posição.

Na semana passada, em entrevista à veículos de esquerda, Lula também evitou defender o impeachment, afirmando que é preciso ter um crime de responsabilidade. Ao mesmo tempo, porém, o petista afirmou que Bolsonaro não tem condição de continuar.

"Ou esse cidadão renuncia ou se faz o impeachment dele com base nos crimes de responsabilidade que ele já cometeu", afirmou no dia 1º. Na ocasião, Lula também exaltou o manifesto pela renúncia e deu a entender que isso seria o começo. "Da renúncia para o impeachment, é um pouco. Da renúncia para o 'fora, Bolosnaro', é um pouco. Na hora que tiver manifestação de rua, o 'fora, Bolsonaro' ganha força."

Lula vem fazendo reiteradas críticas a Bolsonaro. Nesta quinta, afirmou que o pronunciamento do presidente na véspera não teve "nenhum critério de responsabilidade" e voltou a defender o isolamento social.

"Bolsonaro tem duas táticas. Ele precisa passar para sociedade a ideia de que ele tem o remédio, que se der certo, ele será beatificado. E ele tem que passar a ideia de que ele é único cara que está preocupado com o Brasil, que quer fazer o Brasil voltar a trabalhar", disse o petista.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.