Descrição de chapéu Eleições 2020

Duarte Nogueira (PSDB) é reeleito prefeito de Ribeirão Preto

Atual prefeito vence disputa com a ex-reitora da USP Suely Vilela

Ribeirão Preto

O prefeito de Ribeirão Preto, Duarte Nogueira (PSDB), 56, foi reeleito neste domingo (29) para um novo mandato à frente de uma das mais importantes cidades do interior paulista pelos próximos quatro anos.

O atual prefeito, que está em sua quinta disputa pela prefeitura, obteve 63,16% dos votos válidos no segundo turno e derrotou a a ex-reitora da USP (Universidade de São Paulo) Suely Vilela (PSB), que ficou com 36,85%.

A campanha no interior foi marcada pela ausência da figura do governador João Doria (PSDB) até mesmo entre os favoritos.

Depois de ter fechado o primeiro turno com 45,87% dos votos válidos (115.724), Nogueira ainda teve apoio da candidata Cris Bezerra (MDB), 52, que recebeu 7,06% dos votos (17.800) no primeiro turno e foi a quarta mais bem votada no último dia 15. Também declarou apoio ao tucano o engenheiro Emilson Roveri (Rede), 59, último colocado na disputa, com 0,22% dos votos válidos.

A campanha do tucano foi baseada num slogan de que a cidade não pode parar e enfatizou obras como as de mobilidade urbana que estão em andamento, com a construção de pontes e viadutos no centro e na zona norte da cidade.Outros partidos que ficaram fora do segundo turno não declararam apoio a nenhum dos candidatos ou pediram que os eleitores anulassem o voto.

Duarte Nogueira vence eleição em Ribeirão Preto
Duarte Nogueira vence eleição em Ribeirão Preto - Divulgação


O PT, que venceu a eleição duas vezes na cidade com o ex-ministro Antonio Palocci, disputou a eleição com o promotor aposentado Antônio Alberto Machado (PT), 62, e decidiu não declarar apoio a nenhuma candidatura.

“Esse posicionamento é fruto do nosso irrenunciável compromisso de derrotar o golpe de 2016 e os representantes de Bolsonaro e Doria”, diz trecho de comunicado do partido. Machado foi o sexto colocado na disputa, com 6,81% dos votos válidos (17.190, no total).

Já o PSOL, que teve o professor Mauro Inácio, 51, como candidato e pela primeira vez obteve uma vaga na Câmara, orientou sua militância a anular o voto neste domingo. Inácio teve 1,23% dos votos válidos.

Também disputaram as eleições deste ano em Ribeirão Preto (a 313 km de São Paulo) o ex-deputado federal Fernando Chiarelli (Patriota), 63, o militar reformado Luis Henrique Usai (PRTB), 56, e o advogado Vanderley Caixe Filho (PC do B), 43.

Com a vitória, o PSDB chegará a 2024, quando terminará o novo mandato de Nogueira, tendo governado Ribeirão por 16 anos desde 1997, ano em que o partido estreou no poder com o ex-prefeito Luiz Roberto Jábali (1937-2004).

Após a sua saída do cargo, o PT governou a cidade entre 2001 e 2004, primeiro com Palocci, que renunciou em 2002 para integrar o governo Lula, e depois com seu vice, Gilberto Maggioni.O PSDB voltou ao poder em 2005, com Welson Gasparini, que ficou no cargo até 2008, quando foi sucedido por Dárcy Vera. Ela governou até dezembro de 2016, quando foi afastada após a operação Sevandija.

Dárcy foi condenada em primeira instância a 18 anos, 9 meses e 10 dias de reclusão, pena que foi aumentada no TJ (Tribunal de Justiça) para 26 anos, 1 mês e 3 dias. Sua defesa recorre da decisão.

Nogueira já tinha disputado a prefeitura em 1992, 2000 e 2012, tendo perdido as duas primeiras para Palocci e a última, para Dárcy.Há quatro anos, o tucano foi eleito prefeito pela primeira vez à prefeitura ao bater o hoje deputado federal Ricardo Silva (PSB), 35, no segundo turno.Ricardo era visto como candidato natural de oposição ao tucano até seis meses atrás, quando assumiu vaga na Câmara que era ocupada por Luiz Lauro Filho, 41, que morreu em Campinas após uma parada cardíaca.

Além da saída de Ricardo da disputa, a corrida eleitoral foi marcada por desistências em série, que mudaram o mapa da eleição mesmo após as convenções partidárias.

O presidente da Câmara Municipal, Lincoln Fernandes (PDT), 41, anunciou a desistência dias depois de a convenção ter homologado seu nome, assim como o juiz aposentado João Gandini (MDB), 64.

Ricardo e Gandini disputaram a eleição de 2016.Com a saída de Ricardo, o PSB optou pela ex-reitora da USP, que já tinha sido candidata a deputada estadual em 2018 pelo partido. Ela, que chegou a ser secretária da Educação de Nogueira em 2017, estava numa coligação com outros quatro partidos.

Nogueira venceu outras seis eleições que disputou: foi deputado estadual três vezes (1994, 1998 e 2002) e federal outras três (2006, 2010 e 2014). Foi secretário da Habitação do ex-governador Mário Covas (1930-2001) e da Agricultura (2003-2006) e de Logística e Transporte (2015-2016) de Geraldo Alckmin (PSDB).A eleição deste ano em Ribeirão Preto teve recorde de candidaturas registradas no TSE, 11, mas três delas foram indeferidas pela Justiça Eleitoral. Uma foi revertida, a de Chiarelli, a dois dias do primeiro turno.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.