Descrição de chapéu Eleições 2020

Veja questões a Boulos sobre seus rendimentos e o que ele responde sobre cada ponto

Candidato, que fez de simplicidade mote de sua campanha a prefeito, declarou apenas carro e conta bancária como bens

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Explorado como ativo em sua campanha, o patrimônio modesto de Guilherme Boulos (PSOL), 38, também levou nesta eleição o candidato a prefeito de São Paulo a ter que explicar nas redes sociais suas fontes de renda para rebater boatos sobre como se sustenta.

Em sua declaração de bens à Justiça Eleitoral, o psolista, que se dedica há 20 anos ao movimento sem-teto, disse possuir apenas um automóvel Celta 2010, de valor estimado em R$ 15.416.

Em outubro, após ser questionado pela Folha sobre a não declaração de conta bancária, informou também que possuía R$ 579,53 em uma conta-corrente.

Guilherme Boulos, em ato de campanha no centro, com cartaz que faz alusão ao Celta símbolo de sua campanha
Guilherme Boulos, em ato de campanha no centro, com cartaz que faz alusão ao Celta símbolo de sua campanha - Marlene Bargamo - 23.nov.20/Folhapress

Na campanha, o Celta virou matéria-prima para seus marqueteiros, que fizeram jingles e vídeos sobre o carro para ressaltar a simplicidade da candidatura. O automóvel foi usado ainda em carreatas do PSOL.

Também virou uma marca registrada da sua campanha a sua moradia no Campo Limpo, zona sul de São Paulo. Nas propagandas, debates e entrevistas, ele sempre frisa que vive na periferia da cidade e tem dito que quer aproximar a prefeitura das pessoas que moram no local.

Diferentemente de candidatos que têm fontes de rendas divulgadas em portais de transparência, como é o caso do adversário de Boulos e prefeito Bruno Covas (PSDB), o candidato do PSOL não é remunerado por instituições públicas.

Nesta semana, a reportagem da Folha enviou perguntas ao candidato sobre como se sustenta financeiramente.

O candidato, ao enviar as respostas, disse: "Lamentamos que um candidato levante suspeitas por viver sem luxos na periferia, enquanto políticos com alto padrão de vida não sejam submetidos a este mesmo escrutínio —que é necessário, mas parcial".

Veja as perguntas enviadas pela reportagem:

*

  • Como o candidato se mantém? Ele recebe salário ou algum auxílio? De quem?

Contexto: Boulos se apresenta em sua campanha como alguém que nasceu em uma família de classe média paulistana e abdicou de confortos para militar junto ao MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto). Desde então, tem como prioridade liderar a entidade na luta por moradia.

Resposta: Boulos é professor e colunista da revista Carta Capital, onde há quatro anos escreve colunas publicadas quinzenalmente, e do IREE [Instituto para Reforma das Relações entre Estado e Empresa], onde, além de colunista, participa de cursos remunerados oferecidos pelo instituto.

No último ano fiscal, deu dois cursos de extensão na FESP (Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo). Todos os seus rendimentos estão devidamente declarados em seu Imposto de Renda.​

  • O partido ou o MTST pagaram em algum momento ajuda de custo, como dirigente ou sob alguma outra rubrica (ele foi o presidenciável do PSOL)? Se ele recebe, qual é esse salário ou ajuda de custo? É fixo ou variável?

Contexto: Boulos foi candidato a presidente pelo PSOL em 2018 e, desde então, é um dos personagens mais relevantes do partido nacionalmente, além de ser a liderança mais conhecida do MTST.

Resposta: Não recebe e nunca recebeu remuneração do PSOL ou do MTST.​

  • A casa do candidato no bairro do Campo Limpo não está listada na relação de bens. Ela é alugada ou é de algum parente ou amigo? Se há um aluguel, de quanto é e quem paga?

Contexto: O candidato mora em uma casa no Campo Limpo, na zona sul de São Paulo, com a esposa e as duas filhas. A casa não faz parte da declaração de bens de Boulos à Justiça Eleitoral.

Resposta: A casa do candidato foi adquirida em nome do seu pai, já que Boulos não possuía renda suficiente à época da aquisição para ter o financiamento aceito pelo banco.​​

  • ​Em relação à candidatura de 2018, houve apenas o acréscimo da conta de R$ 579. Ele gastou tudo que recebeu no período? Faz algum outro tipo de reserva de emergência?

Contexto: Em 2018, na primeira disputa eleitoral de sua carreira política, Boulos declarou como patrimônio à Justiça Eleitoral apenas o Celta. Na eleição deste ano, o único acréscimo na declaração de bens foi a quantia na conta informada já durante a campanha.

Resposta:​ Toda a renda do candidato no último período foi gasta para sua sobrevivência e de sua família.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.