Descrição de chapéu
CPI da Covid congresso nacional

CPI da Covid corre risco de se tornar 'Tribunal do Feicebuqui'

Perguntas buscadas em mídia social reforçam maniqueísmo superficial e facilitam trabalho para ex-ministro Pazuello

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Nelson de Sá

Jornalista, publica a coluna Toda Mídia e cobre cultura e tecnologia

"Esta pergunta também foi sugerida pelos internautas." Era o senador Renan Calheiros (MDB-AL), ao passar de um assunto para outro no depoimento do ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello à CPI da Covid, no final da manhã desta quarta-feira (19).

Renan havia solicitado perguntas via Instagram e, ao que parece, escolheu algumas que se encaixavam em seu roteiro.

A estratégia reflete mais do que um esforço superficial de imagem do político. Evidencia a influência crescente das plataformas de mídia social sobre o teatro político, um poder de opinião pública antes restrito a radiodifusão ou imprensa.

O senador Renan Calheiros (MDB-AL), relator da CPI da Covid, durante depoimento do ex-ministro Eduardo Pazuello
O senador Renan Calheiros (MDB-AL), relator da CPI da Covid, durante depoimento do ex-ministro Eduardo Pazuello - Pedro Ladeira/Folhapress

Na CPI, o maior risco é transformar o que seria um fórum de investigação em "Tribunal do Feicebuqui", na música de Tom Zé.

Um tribunal com todo o arsenal de manipulação, tanto por usuários como pelos próprios algoritmos. Também com a irracionalidade, o movimento de bloco que parte em defesa de um ou outro, escolhendo previamente mocinhos e bandidos.

Escolher a versão do ex-negociador da Pfizer, contra o ex-ministro e, pelo que ele diz agora, contra os órgãos de controle da gestão pública, é mais do que pré-julgamento.

Abre o flanco para Pazuello obscurecer com igual facilidade o que tenha feito de errado. Permite, como ele falou, "explicar" aos senadores que "uma postagem na internet", em mídia social, pode ser arroubo retórico.

E não faltaram alertas sobre abraçar a farmacêutica americana, cujas cláusulas impostas a países em desenvolvimento foram questionadas, por exemplo, pelo New York Times. "É compreensível que alguns países tenham rejeitado", afirmou o jornal, em editorial.

Não à toa, as atenções em mídia social, para o ataque ou a defesa do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que é o que mobiliza o tribunal, se voltaram no final da manhã quase inteiramente ao ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles.

Pazuello havia desarmado com facilidade a primeira bateria do Instagram de Calheiros. Só foi titubear duas horas depois, diante da tragédia de Manaus, lembrada e cobrada pelo senador Eduardo Braga (MDB-AM).

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.