Descrição de chapéu 6º Fórum A Saúde do Brasil

Novos modelos agilizam atendimento a pacientes e reduzem custos médicos

Mais de 500 startups já oferecem serviços para saúde

Nádia Pontes
São Paulo

No quarto mês de gestação, Paloma Christiansen, 29, encontrou a rede de apoio que buscava para dar à luz o seu primeiro filho.

Diferentemente de tudo o que já havia feito, ela passou a frequentar consultas em grupo, tirar dúvidas com médicas que se alternam a cada atendimento e a se preparar para o parto natural —que seria realizado com a profissional que estivesse de plantão no dia.

“É um modelo prático e acessível. Eu me senti acolhida e à vontade desde o primeiro dia. Com as consultas em grupo, aprendo muito com as dúvidas das outras grávidas”, diz Christiansen.

Ela é uma das pacientes do Coletivo Nascer, criado há menos de um ano por seis obstetrizes e seis médicas. 

“Oferecemos parto humanizado por um preço bem menor do que aquele praticado hoje para esse tipo de assistência”, detalha Ana Cristina Duarte, obstetriz e diretora-executiva do coletivo.

Segundo o modelo, as pacientes pagam uma média de R$ 150 por consulta e entre R$ 5.000 e R$ 6.000 pelo parto —menos da metade dos serviços particulares oferecidos em São Paulo, onde o Coletivo Nascer está baseado. 

“Nós percebemos que estamos chegando a uma população que nunca teve acesso a esse tipo de serviço”, comenta Duarte. Por meio do grupo, ela e as outras 11 profissionais realizam 40 partos por mês, feitos em dois hospitais da capital paulista.

A assistência oferecida pelo Coletivo Nascer é apenas um dos novos formatos de atendimento e acompanhamento médico que têm surgido recentemente pelo país.

Desde que inaugurou um modelo alternativo de clínica, que usa um aplicativo integrado ao prontuário eletrônico do paciente, a endocrinologista Regina Diniz diz colecionar resultados surpreendentes nos tratamentos.

“A resposta é mais efetiva, já que o contato com o paciente é também mais intensivo”, afirma a médica, que tem 18 anos de experiência e trata principalmente de casos de obesidade e de diabetes tipo 2.

Batizado de Doutor Recomenda, o modelo foi testado numa clínica em Taboão da Serra e agora conta com uma nova unidade em Higienópolis. Com pacotes que vão de um a seis meses, o tratamento é presencial e pode ser acompanhado pelo aplicativo.

Em casa, os pacientes seguem as orientações médicas pela plataforma, ajudam a criar o prontuário com informações cotidianas e podem tirar dúvidas pelo chat. Há ainda opções de videoconferências semanais entre uma consulta e outra.

A assinatura do serviço está na faixa de preço das consultas oferecidas em clínicas populares, afirma Diniz, que inaugurou o modelo em 2017 com a economista Luíza Granado. “O nosso público é bem dividido: metade tem convênio e metade, não”, complementa Diniz.

Programas alternativos de assistência médica se multiplicam em plataformas digitais. Dados do Movimento 100 Open Startups apontam mais de 500 startups que oferecem serviços e soluções para o mercado de saúde.

Nem tudo, porém, é regulamentado. A ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar) controla e fiscaliza apenas as operadoras de planos de saúde. Novos formatos de assistência fogem ao escopo de sua atuação, informou a agência à Folha.

E os atendimentos online, processos chamados de telemedicina, enfrentam também certa desconfiança. Uma mostra disso foi dada no começo do ano, quando uma nova resolução do Conselho Federal de Medicina que regulamentava a prática foi revogada logo após a publicação.

“As pessoas ainda não sabem direito o que é. Até os médicos têm desconhecimento”, pontua Luis Henrique Leonardo, médico responsável pela primeira plataforma de telemedicina no país, a Teldoc.

Com uso autorizado para ocasiões em que profissionais fazem análise de resultados ou atendimento a distância mediado por médico, como acontece dentro de uma ambulância, a telemedicina não pode substituir uma consulta presencial.

Para Leonardo, essa modalidade poderia ser usada em lugares onde o acesso a serviços de saúde é restrito. “É claro que isso vale para atendimentos mais simples, de baixa complexidade, de baixo risco, como doenças respiratórias, infecção urinária, hipertensão”, explica, citando alguns exemplos.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.