Descrição de chapéu 4º Fórum Inovação Educativa

Educação física extrapola limites da quadra e deixa de ser mero 'rola bola'

Diversificação de modalidades ajuda a desenvolver cognição e gosto pela prática de esportes

São Paulo

​​Estudos recentes mostram que a prática de exercícios físicos melhora diferentes aspectos da cognição, caso da memória e do aprendizado. Ao mesmo tempo, a educação física ainda é vista, muitas vezes, como uma disciplina menos importante do currículo escolar.

“É fundamental que a criança tenha o máximo de experiências para desenvolver não só a parte motora, mas também a cognitiva”, diz Ricardo Arida, neurofisiologista da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), que conduz pesquisas na área.

Segundo Arida, a atividade física contribui para a criação de novos neurônios e aumenta as conexões entre eles, oferecendo melhores condições de aprendizagem.

“Existe uma relação entre movimento e cognição, mas é preciso ter ponderação para que a atividade física não seja superestimada”, diz Walter Roberto Correia, professor da Escola de Educação Física e Esporte da USP (Universidade de São Paulo).

“Não adianta ter boas aulas de educação física se o processo de alfabetização for precário. O desenvolvimento na escola passa pela melhora da pedagogia”, afirma ele.

A educação física sofreu diversas transformações. Já teve uma abordagem eugenista e nacionalista, pensada para criar pessoas aptas a defender a pátria. Depois, veio o modelo esportivo, com o objetivo de gerar trabalhadores saudáveis, na interpretação de Correia.

Na virada para o século 21, a disciplina ampliou o horizonte e se ancorou no campo da cultura. Hoje, tem a preocupação de ser mais diversificada, inclusiva, interdisciplinar e com uma relação mais equilibrada entre teoria e prática.

“Aqui e acolá, você ainda vai encontrar o ‘rola bola’, que é a aula sem função, para distrair os alunos. Mas as novas gerações de professores têm transformado essa realidade nas últimas duas décadas”, afirma Correia.

 

Quando o professor Ademir Testa Junior, 35, começou a lecionar na rede estadual, em 2006, deparou-se com alunos que encaravam a educação física como um momento de lazer no meio das disciplinas.

Para mudar essa percepção, ele decidiu levar suas aulas para além dos limites da quadra. Em sala, passou a ensinar também fundamentos teóricos, explicando a importância da atividade física para uma vida mais saudável. Com isso, percebeu uma mudança de comportamento nos jovens, que começaram a praticar mais exercício fora da escola. 

“Não dá para melhorar a saúde dos alunos com duas aulas por semana. O caminho é fazer com que eles aprendam a realizar essas atividades e levem isso para fora do ambiente escolar e para o resto da vida.”

Há três anos, o professor Testa, como é chamado, trabalha com estudantes desde o sexto ano até a terceira série do ensino médio na escola estadual Doutor Tolentino Miraglia, em Jaú, no interior de São Paulo.

Suas aulas também extrapolam os muros do colégio, com caminhadas em volta do lago e visitas ao laboratório de anatomia de uma faculdade perto dali. Além disso, os jovens têm de propor ações de combate ao sedentarismo na cidade.

Outra preocupação do professor é levar a maior variedade possível de modalidades aos alunos —de jogos e lutas até danças e slackline. “Quanto mais diversificadas forem as experiências, maiores serão as chances de escolherem alguma delas na vida cotidiana”, afirma ele.

“É função da escola ajudar o aluno a descobrir qual é o seu talento”, concorda Mildred Aparecida Sotero, 50, que é professora em dois colégios particulares de São Paulo, o Santa Cruz e o Nossa Senhora das Graças.

Mildred reforça a importância de não só diversificar os conteúdos mas também dar sentido a eles, fazendo com que os alunos entendam o universo cultural no qual a prática corporal está inserida. 

Ela faz isso, por exemplo, quando ensina sobre a huka-huka, arte marcial dos povos indígenas do Xingu. Ou quando relaciona a capoeira à escravidão, trabalhando com história e língua portuguesa.

“Demorou um tempo para que a educação física passasse a ser vista como uma disciplina séria, fundamentada e importante. Hoje, estamos num espaço de maior relevância, mas não ainda no lugar em que gostaríamos de estar”. 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.