Descrição de chapéu férias

Pizza e gelato coroam tour gratuito por igrejas em Roma

Em uma hora de caminhada, esbarra-se com algumas das principais atrações da capital italiana

Roma

​Diz o ditado que quem tem boca vai a Roma (e deveria, o combo pizza + gelato é de outro mundo). Pois quem tem fé vai ganhar uma parada obrigatória: o Vaticano, incrustado na gema da cidade.

Interior da Igreja de São Luís dos Franceses, em Roma
Igreja de São Luís dos Franceses, em Roma - Divulgação

A sede da Igreja Católica é o menor Estado independente do planeta —uma Copacabana sozinha comportaria 11 deles. São 0,44 km² e cerca de mil habitantes. É em torno de um deles que a vida gira nesta costela da capital italiana. 

Francisco está em todos os cantos, da pintura inspirada nas cores de Romero Britto e feita na hora mesmo, na calçada, por US$ 5 (R$ 18,20), ao artista de rua sósia do pontífice, que sai em selfies por troca de colaboração acordada caso a caso com os turistas.

Ok, quem não sai bem na foto é o extrato da sua conta bancária, dado o custo de passagem, hotel e alimentação agravado pela cotação do euro nos últimos dias. 

Tudo bem. Não é preciso gastar um tostão para se sentir como figurante de “A Grande Beleza”, filme de Paolo Sorrentino que mesmeriza ao flanar por cenários romanos estonteantes. Em menos de uma hora de caminhada a passos lentos, você já esbarrou com algumas das principais atrações turísticas do Vaticano e de Roma —e todas gratuitas.

Não é preciso pagar para ver Francisco. Ou para visitar a Basílica de São Pedro, dentro do território do Estado-sede da Igreja Católica. Vai-se na faixa à Basílica Santa Maria Maior, xodó do pontífice —o primeiro papa jesuíta e latino-americano rezou nela em seu primeiro dia como líder da Igreja Católica, 14 de março de 2013.

Igrejas costumam não cobrar entrada na Itália. Vários países têm uma que os represente. A dos Franceses, a um quilômetro do Vaticano, é de dar inveja em museus de todo o mundo —em seu acervo há uma trilogia do mestre barroco Caravaggio dedicada a são Mateus.

Instalada em praça pública, a Fontana di Trevi é tida como uma das fontes mais belas do mundo. Cabe ao turista decidir se este pit-stop terá seu preço. Não será o caso se ele se render a “A Fonte dos Desejos” (1954), filme com Frank Sinatra que popularizou o hábito de jogar três moedas na construção barroca de 26 metros de altura (um prédio de sete andares) e águas azuis —nas quais vira e mexe se aventuram viajantes, inclusive pelados, embora o nado seja proibido.

Reza a lenda hollywoodiana que o arremesso de moedas é recompensado com sorte no amor. Sorte terá o viajante que conseguir garantir uma foto sem outras dezenas de turistas e ambulantes como involuntário pano de fundo. 

“Isso aqui tá pior do que a [rua paulistana de comércio] 25 de Março no Natal”, brincava a paulista Renata Martins, 37, que penava para enquadrar ela e o namorado numa selfie em que o casal unia as mãos para formar um coração. 

O Panteão, cujo nome em grego quer dizer “todos os deuses”, impressiona mesmo numa cidade em que cada esquina parece uma aula de história. Erguido há cerca de 1.900 anos como um templo pagão e convertido em igreja seis séculos depois, é o mais bem conservado edifício da antiguidade romana. 

“Em Roma você não precisa ir até a história, a história vem até você”, diz Roberto Zanin, responsável pela comunicação da Opus Dei no Brasil e na cidade para um curso.

Do lado de fora, atores encarnando gladiadores e até uma Tartaruga Ninja (que têm nomes de artistas italianos, como Michelangelo) brigam pela atenção dos turistas —a versão romana para a competição deflagrada na nova-iorquina Times por tipos vestidos de Bob Esponja e Hulk.

Fora o tempo perdido na fila, o Panteão sempre foi gratuito. Em 2017, anunciou-se a cobrança a partir de algum ponto do ano seguinte (o que não aconteceu até abril, quando a Folha esteve lá). O preço não deve superar 3 € (R$ 13).

Metade, portanto, de um popular suvenir —um calendário com “padres gatos”, vendido em bancas de jornal (o autor das fotografias já disse a um periódico local que, “sim, eles são bem apessoados, mas é só um produto, uma forma de pessoas conhecerem melhor o Vaticano”).

Quando a fome chegar, há pizzarias a perder de vista. Para a sobremesa,o hit são gelaterias como a Della Palma, que oferece mais de 150 sabores de sorvetes. Só as variações de chocolate são 15, como a receita que leva canela.

Se o seu lance é brindar diante da grande beleza que é Roma, vale aderir a uma moda feita na medida para os visitantes: drinques para viagem, encontrados por todos os cantos do centro histórico, por uma média de 5 € (R$ 21,50). No verão do hemisfério Norte, um dos que mais saem é o Aperol Spritz. Quem tem sede também vai a Roma. 


Pacotes

R$ 1.113 
5 noites, em Roma, na Trade Tours  
Com café da manhã. Inclui visita aos Museus Vaticanos e à Capela Sistina, além de seguro-viagem. Valor por pessoa, sem passagem aérea

R$ 1.530 
3 noites, na Maringá Turismo
Sem regime de alimentação ou passagem aérea. Inclui city tour e traslados. Preço por pessoa

R$ 3.785 
6 noites, na Flot
Entre Roma, Florença, Veneza, Pádua e Milão, com café da manhã e um jantar. Inclui traslados, guia em português, visitas panorâmicas e barco privativo em Veneza. Preço por pessoa. Sem passagem aérea

R$ 5.400 
5 noites, na Ahoba Viagens 
Em Roma, sem regime de alimentação. Inclui visita aos Museus Vaticanos, à Capela Sistina e à Basílica de São Pedro. Preço por pessoa. Com passagem aérea

R$ 7.519 
6 noites, na CVC
Em Roma, com café da manhã. Por pessoa. Inclui passagem aérea

R$ 8.256 
9 noites, na Pisa Trekking 
Entre Roma, Florença e Veneza, com café da manhã. Inclui passeios aos Museus Vaticanos, à Capela Sistina e à Basílica de São Pedro, além de city tour em Florença, passagem de trem entre as duas cidades e traslados. Preço por pessoa. Sem passagem aérea


 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.