Conheça cinco palácios reais na Europa

Edifícios abrigam acervo da Coroa e obras de artistas locais

São Paulo

Conheça cinco palácios reais em países com regime monárquico na Europa.

Amsterdã
Holanda
O Palácio Real de Amsterdã é um dos três ainda usados pela família real holandesa. O local abriga pinturas e esculturas de artistas da era de ouro da Holanda, como Govert Flinck e Ferdinand Bol. Fica na praça Dam, no coração da cidade. A entrada custa € 10 (R$ 44)

Bruxelas
Bélgica
Usado como local de trabalho pelo monarca belga, o Palácio Real de Bruxelas é aberto ao público de 21 de julho (feriado nacional) até o início de setembro. Entre os destaques está a Sala Goya, com tapeçarias inspiradas nas pinturas do pintor espanhol Francisco de Goya. A entrada é gratuita

Copenhague
Dinamarca
O Palácio de Christiansborg reúne em um só lugar o Parlamento, a Suprema Corte e a sede do Governo da Dinamarca. O Grande Salão é o mais imponente do palácio, com tapeçarias da rainha. O acesso a todos os espaços abertos ao público, incluindo cozinha e estábulo, custa 160 coroas dinamarquesas (R$ 96)

Estocolmo
Suécia
Construído no século 18, o Palácio Real de Estocolmo tem estilo barroco e fica no centro histórico da cidade. É a residência oficial da família real. Um dos destaques é a Sala dos Tesouros, que abriga joias da Coroa da Suécia. A entrada custa 100 coroas suecas (R$ 42)

Madri
Espanha
O Palácio Real de Madri é um dos maiores da Europa, com mais de 3.000 divisões internas. Foi a residência oficial dos reis da Espanha desde Carlos 3º (1716-1788) até Alfonso 13 (1886-1941). Hoje, serve apenas para recepções. Um dos destaques é a cozinha do século 19, que preserva quase todo o seu equipamento original. Está localizado no centro da cidade. A entrada custa € 13 (R$ 57)

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.