Saltar para o conteúdo principal Saltar para o menu

A volta do pelourinho

Eis que caminhamos celeremente adentro do 21º milênio, no bojo e no limiar das mais maravilhosas tecnologias. E eis que em meio à conexão total, integral, atemporal e aos avanços mais fantásticos da medicina, da globalização, das artes, da vida, o que resgatamos, de nosso passado maios tenebroso e repulsivo, para exibir ao mundo?

O pelourinho.

Sim, ressuscitamos o pelourinho –talvez tenhamos sido o último país do mundo a amarrar escravos num tronco para aplicar-lhes castigos, em nosso escravagismo tardio.

E as cenas do garoto preso ao poste pelo pescoço no Rio de Janeiro demonstra nada mais nada menos que permanecemos ali, nas trevas.

Lembrei do pelourinho ao ver a foto do garoto "justiçado" e lembrei de Gilberto Freyre e lembrei da casa grande e da senzala em que atolamos aparentemente para sempre.

Fui dar numa versão eletrônica desta obra prima da sociologia brasileira, e eis que encontro as seguintes palavras de Freyre, a título de prólogo:

"Eu ouço as vozes
eu vejo as cores
eu sinto os passos
de outro Brasil que vem aí
mais tropical
mais fraternal
mais brasileiro.
O mapa desse Brasil em vez das cores dos Estados
terá as cores das produções e dos trabalhos.
Os homens desse Brasil em vez das cores das três raças
terão as cores das profissões e das regiões.
As mulheres do Brasil em vez de cores boreais
terão as cores variamente tropicais.
Todo brasileiro poderá dizer: é assim que eu quero o Brasil
todo brasileiro e não apenas o bacharel ou o doutor
o preto, o pardo, o roxo e não apenas o branco e o semibranco."

O texto é da segunda década do século passado e revela a fé e o sonho do escritor.

Sonho que se desfaz diante do pesadelo do rapaz preto amarrado pelo pescoço.

Como não lembrar aqui de outro grande do pensamento brasileiro, Sergio Buarque de Holanda, que formulou o conceito do brasileiro cordial?

A triste realidade da nossa intolerância desmente os dois geniais.

Não, não somos cordiais –há os algozes e, pasme, quem os defenda desavergonhadamente.

Não, o preto não se inclui em "todo brasileiro" –há os que se julgam acima de todos os demais e impõem sua ética fascista.

Assim, a beligerância, a ignomínia, o ódio ascendem.

Olho por olho, e assistimos impotentes ao triunfo da barbárie.

Que vergonha...

luiz caversan

Luiz Caversan é jornalista e consultor na área de comunicação corporativa. Foi repórter especial, diretor da sucursal do Rio da Folha, editor dos cadernos 'Cotidiano', 'Ilustrada' e 'Dinheiro', entre outras funções. Escreve aos sábados.

Livraria da Folha

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade call of duty

Livraria da Folha

Os Grandes Impostores
Os Grandes Impostores
Jan Bondeson
De:
Por:
Comprar
O Mito da Grande Classe Média
O Mito da Grande Classe Média
Marcio Pochmann
De:
Por:
Comprar
Cinema Yakuza (DVD)
Cinema Yakuza (DVD)
Vários
De:
Por:
Comprar
O Anti-Maquiavel
O Anti-Maquiavel
Frederico 2º
De:
Por:
Comprar
Uma História do Comunismo (DVD Duplo)
Uma História do Comunismo (DVD Duplo)
Patrick Rotman e Patrick Barbéris
De:
Por:
Comprar
Publicidade
Publicidade

Folha Shop

Geladeiras Geladeiras Frost Free, Duplex, a partir de R$ 862,20

TV TV LED, 3D, FULL HD e Smart a partir de R$ 399,90

Home Theater | Tênis | Mais...

Voltar ao topo da página