Policial que dirigia Camaro em suposto racha já foi preso em caso de extorsão

Crédito: Marcelo Goncalves/Sigmapress Mercedes fica destruído após acidente na Imigrantes, em São Bernardo; duas pessoas morreram
Mercedes fica destruído após acidente na Imigrantes, em São Bernardo; duas pessoas morreram

ROGÉRIO PAGNAN
DE SÃO PAULO

O policial suspeito de participação em acidente que deixou dois mortos e seis feridos na rodovia Imigrantes, o investigador Ariovaldo Soares Grubl já foi preso pela Corregedoria da Polícia Civil, em 2001, sob suspeita de extorsão (concussão). Na última terça-feira (9), ele dirigia um veículo Chevrolet Camaro e, segundo testemunhas, estaria disputando um racha com a Mercedes que bateu na traseira de um Ford EcoSport. O carro está registrado no nome de um filho do policial.

Grubl, que negou à polícia que participasse de um racha na rodovia, foi preso em flagrante em 2001 quando recebia dinheiro de familiares de criminosos presos com veículos e mercadorias roubadas na região na zona oeste da capital. Na época, Grubl e outros dois colegas exigiram R$ 100 mil para alterar a acusação de roubo para recepção da carga –que livraria os criminosos da prisão. A Folha ainda não localizou o advogado dele.

Nesta quinta-feira (11), por envolver um policial, a cúpula da Polícia Civil transferiu as investigações do acidente de São Bernardo, onde houve a colisão, para a Corregedoria, na capital. A polícia também quer saber se o veículo pertence ao policial (embora registrado no nome do filho) e como ele conseguiu recursos para isso –um Camaro zero km tem preço médio de R$ 266 mil.

O salário líquido do investigador é R$ 3.565,90.

Procurada, a Secretaria da Segurança informou que o investigador foi demitido em 2001, mas readmitido posteriormente em razão de recurso que revogou sua demissão. A pasta afirma ainda que sua participação do acidente ocorrido na última terça está sendo investigada.

TESTEMUNHAS

Testemunhas do acidente afirmam que o Camaro preto do policial disputava uma corrida com uma Mercedes Benz CLS prata, que bateu na traseira de um Ford EcoSport, que não participava da disputa, com oito pessoas –dois casais de adultos e quatro crianças pequenas, filhos dos casais.

As duas mães morreram e os demais ficaram feridos. O motorista do EcoSport corre o risco de ficar paraplégico. O Camaro não foi atingido no acidente.

Já a Mercedes era conduzida pelo administrador de empresas André Veloso Micheletti, 50, que estava acompanhado da mulher e de um funcionário. Após exame de bafômetro, ficou constatado que o administrador não havia ingerido bebida alcoólica. Na delegacia, ele afirmou que trafegava em velocidade permitida, quando o motorista da Ecosport, "repentinamente e sem sinalizar", entrou na faixa em que ele dirigia. A velocidade citada por testemunhas é de cerca de 200 km/h.

Tanto o motorista da Mercedes quanto o do EcoSport estão com as carteiras de habilitação cassadas por excesso de multas desde 2016. As crianças estavam no banco traseiro com as mães, sem cadeirinha e também sem o cinto de segurança.

Após passar a noite do acidente no distrito policial de São Bernardo do Campo, o motorista da Mercedes teve a sua prisão preventiva decretada pela Justiça na manhã de quarta-feira (10). Ele foi indiciado por homicídio com dolo eventual (quando se assume o risco de matar), tentativa de homicídio e também por dirigir sem CNH.

Crédito: Reprodução/Twitter/BombeirosPMESP Acidente na rodovia dos Imigrantes, em São Bernardo
Acidente na rodovia dos Imigrantes, em São Bernardo

"Ele passou pela faixa da direita como um foguete". É assim que o técnico em telecomunicações Thiago Ronaldo de Aguillar, 28, lembra do Mercedes CLS que passou pelo seu carro na terça (9) à noite na rodovia dos Imigrantes. "Ainda falei para o meu amigo 'ele ainda vai matar alguém'", afirma.

"Em seguida, já vi a fumaça. O Mercedes bateu duas vezes no EcoSport, que foi parar a uns 200 metros do lugar da primeira batida." De acordo com Aguillar, uma passageira do Mercedes teria dito ao marido que conduzia o veículo: "Viu o que você fez?". O acusado então teria dito "eu já estraguei a minha vida, você agora tem que ficar do meu lado", aos gritos.

O acidente aconteceu perto das 21h. O motorista do EcoSport disse em depoimento à polícia que estava a 110 km/h (o limite no local é 120 km/h), quando viu o clarão do farol e sentiu o impacto. Após a batida, o EcoSport rodopiou na pista e parou no canteiro central da estrada. Segundo a perícia, o Mercedes estava em velocidade muito superior ao carro dirigido por Gonçalves. Uma nova perícia, no entanto, ainda será feita para constatar a velocidade exata dos veículos.

No EcoSport estavam duas famílias que voltavam de uma viagem a Praia Grande (a 71 km de São Paulo) e seguiam para Suzano (Grande SP), onde moravam.

No veículo, além de Gonçalves, estavam a mulher dele, Juliana do Carmo Gamarra, 40, os três filhos do casal, de 1, 2 e 3 anos, e o casal de amigos Wesley Junior Gomes Bispo, 23, e Vitória Alves Furlanetto Gomes, 21, e o filho deles, de 1 ano. Juliana morreu no local; Vitória foi socorrida, mas não resistiu.

Colaboraram o UOL e o "Agora"

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.