Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
14/01/2011 - 08h22

Projetos antienchente ficam parados no Congresso

Publicidade

DE SÃO PAULO

Em meio às chuvas que deixaram milhares de vítimas e desabrigados no Rio e São Paulo, mais de 30 projetos com medidas para minimizar os efeitos das enchentes estão parados no Congresso. A informação é da reportagem de Gabriela Guerreiro publicada na edição desta sexta-feira da Folha (íntegra está disponível para assinantes do jornal e do UOL).

Região serrana do Rio registra mais de 500 mortos
Rio tem maior desastre em nº de mortes no país
Veja lista parcial de mortes na região serrana do Rio
Saiba como fazer doações para as vítimas das chuvas
Veja imagens dos estragos no Rio
Leia a cobertura sobre as chuvas em todo o país
Veja cobertura sobre chuvas na região serrana do Rio

De acordo com o texto, as propostas vão de benefícios fiscais para quem doa recursos às vítimas das chuvas até informações solicitadas ao governo federal em tragédias passadas que nunca chegaram ao Legislativo. A cada novo episódio com desabrigados e destruição de municípios, congressistas apresentam propostas que acabam, a maioria, sem sair do papel.

Em 2009, o senador Romeu Tuma (morto no ano passado) apresentou projeto que prioriza desabrigados pelas enchentes nas ações habitacionais do governo.
Na época, Tuma foi motivado pelas chuvas que atingiram São Paulo no final de 2009. Até hoje a proposta espera por votação na Comissão de Desenvolvimento Regional do Senado.

Editoria de Arte/Folhapress

RIO

Balanços divulgados pelas prefeituras de Teresópolis, Petrópolis, Nova Friburgo e Sumidouro informam que 508 pessoas foram encontradas mortas nas cidade durante as buscas após os temporais que atingiram a região serrana do Rio. A cidade mais afetada é Nova Friburgo, onde os mortos chegaram a 225.

Os bombeiros afirmam que uma das maiores dificuldades encontradas pelas equipes de regaste na região serrana do Rio é a falta de comunicação, já que os telefones e a internet estão com problemas. Outra dificuldade enfrentada pelas equipes de resgate é em relação aos acessos em algumas partes das cidades de Teresópolis, Petrópolis e Nova Friburgo.

O grande número de corpos no IML (Instituto Médico Legal) de Teresópolis obrigou as equipes de técnicos a adotar o reconhecimento dos mortos por meio de fotografias. Cerca de 50 pessoas estão concentradas em frente ao prédio do IML, em busca de parentes desaparecidos.

As fotos dos rostos dos mortos são mostradas pelos peritos a quem busca informações. Só entram no prédio os parentes que reconheceram vítimas por meio das fotografias. O prédio do IML funciona ao lado de uma delegacia de polícia e tem capacidade para receber apenas seis corpos. Até as 12h de hoje já tinham dado entrada 147 corpos. Outro prédio, em frente à delegacia, teve que ser requisitado para receber corpos.

Hudson Corrêa/Folhapress
Equipes e voluntários buscam vítimas após chuvas em Teresópolis
Equipes e voluntários buscam vítimas após chuvas em Teresópolis
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página