Saltar para o conteúdo principal Saltar para o menu

Ministro diz que não há como proibir manifestações pacíficas na Copa

Mais opções
  • Enviar por e-mail
  • Copiar url curta
  • Imprimir
  • Comunicar erros
  • Maior | Menor
  • RSS

O ministro Aldo Rebelo (Esporte) deu palestra, na manhã desta quinta-feira, no Tribunal de Justiça de São Paulo, para falar sobre a Copa do Mundo.

No evento, Rebelo disse que as manifestações durante o Mundial não devem ser tratadas de forma especial, pois já existem leis para coibir os atos violentos e proteger os protestos pacíficos no país.

"Manifestação pacífica é protegida por lei. As violentas, não. Não há o que se fazer além da aplicação na lei. Não tem porque transformar isso em uma pauta extraordinária", afirmou o ministro em palestra.

Já em relação às brigas entre torcidas organizadas no futebol, que deixaram mais um morto no fim de semana, ele tratou do assunto como "barbárie".

"Não há como conviver com essa barbárie que testemunhamos, mas não só durante a Copa, essa é uma preocupação permanente", disse Rebelo.

Perguntado se a morte do torcedor santista prejudicaria a imagem do Brasil às vésperas da Copa, Rebelo disse que a situação precisa ser enfrentada com rigor e as leis aplicadas, mas, antes, a polícia precisa agir e prender os criminosos.

"Toda morte, nestes casos, acontece no pior momento. A impunidade estimula esse tipo de ação", afirmou, em entrevista.

Segundo o ministro, o Conselho Nacional de Justiça já enviou para todos os tribunais regionais o pedido de criação de um juizado do torcedor para cada estado.

Mais opções
  • Enviar por e-mail
  • Copiar url curta
  • Imprimir
  • Comunicar erros
  • Maior | Menor
  • RSS

Livraria da Folha

Publicidade
Publicidade

Siga a folha

Publicidade

+ Livraria

Livraria da Folha

Jogo Roubado
Brett Forrest
De:
Por:
Comprar
Festa Brasil (DVD)
Vários
De:
Por:
Comprar
The Yellow Book
Toriba Editora
De:
Por:
Comprar
Futebol Objeto das Ciências Humanas
Flávio de Campos (Org.), Daniela A.
De:
Por:
Comprar
Folha na Copa
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Voltar ao topo da página