Saltar para o conteúdo principal Saltar para o menu

No dia da eleição

Publicidade

SOBRE O TEXTO Este poema integra "Recalculating", mais nova coletânea do poeta e ensaísta nova-iorquino Charles Bernstein. Professor da Universidade da Pensilvânia, onde criou, com Al Filreis, o projeto PennSound (writing.upenn.edu/pennsound), banco de dados de áudios de poesia, Bernstein registrou em vídeo, a pedido da "Ilustríssima", sua leitura de "On Election Day". O resultado, legendado segundo esta tradução, pode ser visto abaixo (para ativas as legendas do vídeo em português, basta clicar no botão "cc").

*

Ilustração de Elisa Von Randow

Eu ouço o gemido da democracia, no dia da eleição.

As ruas estão cheias de promessas falsas, no dia da eleição.

Os canalhas votam, os santos votam, no dia da eleição.

Os mortos disparam sua fúria, no dia da eleição.

Meu irmão, afogado em mágoas, no dia da eleição.

A irmã lava a roupa suja, no dia da eleição.

Lentamente, eu me aproximo das vozes sombrias, no dia da eleição.

Os homens se preparam para morrer, no dia da eleição.

A manhã silente defende sua ninhada, no dia da eleição.

Ainda assim, doce, vacilante, no dia da eleição.

No dia da eleição, os gatos tomam chá com o sagui.

No dia da eleição, a mãe recusa seu leite.

No dia da eleição, as rãs coaxam ferozes: parece até que Marte
despencou na Terra.

No dia da eleição, o homem de ferro emite gemidos femininos.

O ar podre, vermelho, intercalando, quixotesco, vulnerável, torpe,
no dia da eleição.

Seus olhos deslizam, no dia da eleição.

As carpideiras carpem, os gementes gemeram, as crianças
dormem, sós, na cama, no dia da eleição.

Sem dúvida, um cometa veio me ver, ígneo, desavindo, tórrido, dedilhado,
no dia da eleição.

No dia da eleição, a transgressão do alarme fátuo e aspiração ignominiosa
abate o salto dourado a um corset degradê de cristas.

O tirano se torna príncipe, no dia da eleição.

Nem amigo ou inimigo, medo menos ainda destino, no dia da eleição.

O mendaz mente para o carneiro, no dia da eleição.

O último poderá ser o primeiro e o primeiro o último da fila, no
dia da eleição.

O mendigo feito rei, no dia da eleição.

"Deixe aquele que não está com os meus poemas ser assassinado!" no dia da eleição.

Deixe o puro pecar, no dia da eleição.

Os fantasmas se vestem com ternos, no dia da eleição.

No dia da eleição, o enxofre cheira a cerveja.

No dia da eleição, o ministro se caga de medo.

No dia da eleição, o polaco e o judeu dançam o foxtrote.

No dia da eleição, o sapato não se encaixa no pé, o tiro sai pela culatra,
o garçom faminto se rebobina antes de inteirar-se dos fatos.

A grade não degrada o violinista, no dia da eleição.

Galochas e lágrimas, no dia da eleição.

O esperma não encontra o ovo, no dia da eleição.

O tambor retumbante se torna gorjeio de sabiá, no dia da eleição.

Eu sinto como se um pesadelo findasse, mas não consigo me levantar, no dia da eleição.

Veja vídeo

CHARLES BERNSTEIN, 63, poeta americano, publicou no Brasil "Histórias da Guerra: Poemas e Ensaios" (Martins Fontes).

RÉGIS BONVICINO, 58, poeta, é autor, entre outros, de "Estado Crítico" (Hedra).

ELISA VON RANDOW, 38, é designer e ilustradora.

Livraria da Folha

Publicidade
Publicidade

Envie sua notícia

Publicidade almodovar

Siga a folha

Publicidade

+ Livraria

Livraria da Folha

Publicidade
Publicidade

Folha Shop

Ford Fiesta Ford Fiesta Confira aqui! A partir de R$ 15.749

Notebook Notebook LED, HDMI e USB, a partir de 14x de R$ 62,23

Home Theater | Tênis | Mais...

Voltar ao topo da página