Siga a folha

Duch, chefe de prisão que massacrou pelo Khmer Vermelho, morre aos 77

ONU o julgou culpado de assassinato em massa, tortura e crimes contra a humanidade

Você atingiu seu limite de matérias livres

Assine e tenha acesso Ilimitado

– OFERTA ESPECIAL – 6 MESES DE DESCONTO –

Cancele quando quiser

R$ 1,90 no primeiro mês

+ 5 de R$ 29,90 R$ 9,90

Notícias no momento em que acontecem, newsletters exclusivas e mais de 120 colunistas. Apoie o jornalismo profissional.

Phnom Penh (Camboja) | Reuters

O comandante do Khmer Vermelho conhecido como 'Camarada Duch', o principal carrasco de Pol Pot e chefe da segurança que supervisionou o assassinato em massa de pelo menos 14 mil cambojanos na notória prisão de Tuol Sleng, morreu nesta quarta-feira (2, terça à noite no Brasil), aos 77 anos.

Kaing Guek Eav foi o primeiro membro da liderança do Khmer Vermelho a ser julgado por seu papel na ditadura comunista acusada de matar ao menos 1,7 milhão de pessoas nos "campos de morte" do Camboja entre 1975 e 1979.

Kaing Guek Eav, o Duch, participa de audiência durante seu julgamento em Phnom Penh, no Camboja, em 2008 - Tang Chhinsothy - 5.dez.08/Reuters

Em 2010, um tribunal da ONU o considerou culpado de assassinato em massa, tortura e crimes contra a humanidade na prisão Tuol Sleng, onde antes funcionava a escola de segundo grau de Phnom Penh. O local hoje é um memorial às atrocidades cometidas pelo regime.

Duch apelou da sentença, alegando que era apenas um oficial subalterno que cumpria ordens. O recurso foi negado e ele foi condenado à prisão perpétua em 2010. Se apresentando na época como um cristão renascido, ele expressou arrependimento por seus crimes.

O porta-voz do Tribunal do Khmer Vermelho, Neth Pheaktra, afirmou que o comandante morreu no Hospital da Amizade Soviética do Khmer, em Phnom Penh, no Camboja, e não deu detalhes sobre a causa da morte —Duch, no entanto, esteve doente nos últimos anos.

Sob sua liderança, os detidos na prisão de Tuol Sleng, cujo codinome era S-21, foram obrigados a abafar os gritos de dor enquanto os guardas do Khmer Vermelho, muitos dos quais eram adolescentes, buscavam obter confissões de crimes inexistentes por meio de tortura.

Os guardas foram instruídos a "esmagar em pedaços" traidores e contrarrevolucionários. Para o Khmer Vermelho, isso poderia significar qualquer pessoa, de professores a crianças, de mulheres grávidas a intelectuais —que por vezes eram identificados como tais por usarem óculos.

Sob a fachada caótica de Tuol Sleng, Duch —ele próprio um ex-professor de matemática— tinha um olhar obsessivo para os detalhes e mantinha a escola que virou prisão meticulosamente organizada.

"Nada acontecia sem a aprovação de Duch. Seu controle era total", escreveu o fotógrafo e escritor Nic Dunlop, que encontrou Duch em 1999 escondido perto da fronteira com a Tailândia, duas décadas depois da queda do Khmer Vermelho.

"Só quando você caminha pelos corredores vazios de Tuol Sleng é que a fala de Stalin de que 'uma morte é uma tragédia; um milhão, uma estatística' assume um poder assustador", escreveu Dunlop em seu relato sobre Duch e suas atrocidades, "The Lost Executioner" (o último executor).

No S-21, os novos prisioneiros eram fotografados e hoje centenas de retratos estão em exibição nas paredes em ruínas.

Visitante observa crânios de vítimas do Khmer Vermelho em Tuol Sleng, prisão que foi comandado por Duch e onde hoje funciona um museu sobre o genocídio cambojano - Tang Chhin Sothy - 31.ago.09/AFP

Norng Chan Phal, uma das poucas pessoas que sobreviveram ao S-21, era um menino quando ele, seu pai e sua mãe foram enviados à prisão de Duch e interrogados sob suspeita de terem ligações com o inimigo mortal do Khmer Vermelho, o Vietnã.

Seus pais foram torturados e mortos, mas Chan Phal sobreviveu para dar testemunho no julgamento de Duch em 2010.

"Ele cooperou, falou francamente com o tribunal. Pediu desculpas a todas as vítimas do S-21 e pediu que abrissem o coração. Ele também pediu desculpas a mim", disse Chan Phal à Reuters.

“Ele pediu desculpas. Mas a justiça não foi feita por inteiro.”

Receba notícias da Folha

Cadastre-se e escolha quais newsletters gostaria de receber

Ativar newsletters

Relacionadas