Siga a folha

Descrição de chapéu Eleições 2020

Suspeitas, fama, vice e cabo eleitoral estão entre pontos fracos e fortes de candidatos em SP; veja lista

Na reta final da campanha e com debates à vista, fragilidades devem ser exploradas pelos adversários

Você atingiu seu limite de matérias livres

Assine e tenha acesso Ilimitado

– OFERTA ESPECIAL – 1 ANO DE DESCONTO –

Cancele quando quiser

R$ 1,90 POR 3 MESES

+ 9 de R$ 19,90 R$ 9,90

Notícias no momento em que acontecem, newsletters exclusivas e mais de 120 colunistas. Apoie o jornalismo profissional.

São Paulo

Na reta final da corrida pela Prefeitura de São Paulo e com debates à vista, os candidatos devem explorar os próprios pontos fortes, enquanto atacam as fragilidades dos adversários.

Em uma situação em que o prefeito Bruno Covas (PSDB) parece ter se consolidado na liderança, Celso Russomanno (Republicanos), Guilherme Boulos (PSOL) e Márcio França (PSB) brigam entre si para conseguir a segunda vaga na disputa.

Nesse processo, os pontos fracos dos adversários têm sido muito explorados, o que leva até a judicialização em alguns casos.

Covas precisou esquivar de perguntas relacionadas ao vice, Ricardo Nunes (MDB), e seu relacionamento com as creches conveniadas da cidade. Enquanto isso, Russomanno é atacado por afirmações consideradas preconceituosas.

Já França flerta com esquerda e direita, sendo atacado por todos os lados, e Boulos (PSOL) tem a atuação como líder dos sem-teto em ocupações explorada pelos adversários.

Veja abaixo alguns pontos fortes e fracos dos candidatos que podem pesar na campanha:

BRUNO COVAS (PSDB)

Pontos fortes:

  • História de superação por ter enfrentado um câncer
  • Associação à figura do avô, o ex-governador Mario Covas
  • Aliança ampla de partidos, que lhe dá maior tempo de TV
  • Aprovação de sua atuação na pandemia é de 46%, segundo Datafolha
  • Segundo pesquisa Datafolha de 5.nov, venceria todos os adversários no segundo turno

Pontos fracos:

  • O governador João Doria (PSDB), que tem avaliação ruim como cabo eleitoral e abandonou o posto de prefeito para se candidatar em 2018
  • Ligação de Ricardo Nunes, vice na chapa de Covas, com empresários locadores de imóveis de creches e entidade, além de boletim de ocorrência por violência doméstica registrado pela esposa dele em 2011
  • Reforma do Vale do Anhangabaú, que custou R$ 94 milhões e tem projeto criticado
  • Ele tinha apenas 33 das 71 metas batidas (46%) no fim de outubro; corredores de ônibus devem ser um calo

CELSO RUSSOMANNO (REPUBLICANOS)

Pontos fortes:

  • É conhecido pela atuação na TV a favor dos direitos do consumidor, é conhecido por 97% dos paulistanos segundo o Datafolha
  • História de superação a partir da morte da então mulher
  • Foi escolhido pela base eleitoral de Jair Bolsonaro (sem partido) por contar com apoio do presidente
  • Segundo Datafolha, tem índice de votação alto entre donas de casa, evangélicos, quem não usa máscara ou usa incorretamente e quem aprova o governo Bolsonaro

Pontos fracos:

  • Costuma dar declarações com informações falsas ou consideradas preconceituosas
  • Não tem boa atuação em debates
  • Responde ou respondeu a uma série de processos referentes ao Bar do Alemão, do qual era sócio, a danos morais e a caso de funcionário fantasma, entre outros
  • Elo com Bolsonaro, que é rejeitado por 48% dos moradores de São Paulo, segundo pesquisa Datafolha
  • Propostas consideradas frágeis e de implementação difícil, como o auxílio paulistano

GUILHERME BOULOS (PSOL)

​Pontos fortes:

  • A deputada e ex-prefeita Luiza Erundina (PSOL), como vice, que tem legado reconhecido na cidade
  • Segundo lugar na pesquisa espontânea, com 12%, atrás de Covas, com 19%, segundo o Datafolha
  • É o que tem mais votos consolidados entre Covas, França e Russomanno: 72% dos seus eleitores não estão dispostos a mudar o voto, segundo Datafolha
  • Segundo Datafolha, é o que tem maior índice de conhecimento de seu número na urna (64%) entre França, Covas e Russomanno

Pontos fracos:

  • Associado ao petismo, comunismo, lulismo e invasões de sem-teto, temas rejetiados por parte do eleitorado
  • Falta de experiência em cargos públicos
  • Programa de governo com propostas que enfrentam oposição na Câmara e que não têm fonte de recursos
  • É mais desconhecido que Covas, Russomanno e França, segundo Datafolha
  • Segundo Datafolha, herda menos votos de outros candidatos do que seus adversários

​MÁRCIO FRANÇA (PSB)

Pontos fortes:

  • Venceu a eleição em 2018 na cidade de São Paulo com quase 1 milhão de votos a mais que Doria
  • Experiência em cargos públicos
  • Tem a menor rejeição (14%) entre Covas, Boulos e Russomanno, segundo o Datafolha
  • De acordo com pesquisa Datafolha divulgada no dia 5, é o que tem melhor desempenho contra Covas no segundo turno, mas perderia por 48% a 39%

Pontos fracos:

  • Não tem ideologia clara, flerta com progressistas e com conservadores
  • Histórico de uso da máquina administrativa e iniciativas populistas que elevaram os gastos públicos
  • Aliado é investigado por ter sido funcionário fantasma do banco de fomento estadual Desenvolve SP quando França era governador
  • Segundo Datafolha, tem índice de votação baixo entre estudantes
  • Segundo Datafolha, é o que tem menos votos consolidados entre Covas, Boulos e Russomanno: 54% dos seus eleitores podem mudar de opção

Receba notícias da Folha

Cadastre-se e escolha quais newsletters gostaria de receber

Ativar newsletters

Relacionadas