Ministro diz que dinheiro para bolsas CNPq só dura até setembro e cobra verbas

Marcos Pontes espera crédito de R$ 310 milhões para o orçamento de Ciência e Tecnologia

João Pedro Pitombo
Salvador

O ministro da Ciência, Tecnologia e Comunicações, Marcos Pontes, afirmou que o dinheiro para as bolsas CNPq só dura até setembro e cobrou a aprovação de um crédito de R$ 310 milhões para o orçamento da sua pasta para garantir o pagamento de bolsas do CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico).
 
Segundo o ministro, com o orçamento atual, o ministério tem condições de manter o pagamento das cerca de 80 mil bolsas para os pesquisadores apenas nos próximos dois meses. A partir de outubro, o caixa está zerado.
 
“Esses R$ 310 milhões têm que vir como crédito para o CNPq para manter essas bolsas, senão não funciona. O tempo está passando”, afirmou o ministro nesta segunda-feira (8) em Salvador, onde participou da premiação dos vencedores da Olimpíada Brasileira e Matemática das Escolas Públicas.

Marcos Pontes, ministro da Ciência e Tecnologia, sentado, com folha de papel e caneta nas mãos
Marcos Pontes, ministro da Ciência e Tecnologia - Odjair Baena


  
Os recursos para o pagamento das bolsas estão no bojo de um pedido de suplementação do orçamento de R$ 248,9 bilhões feito pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL) e aprovado em junho pelo Congresso Nacional. Os recursos serão obtidos por meio da emissão de títulos públicos. 
  
Marcos Pontes também comentou o manifesto assinado por dez ex-ministros de Ciência e Tecnologia de governos anteriores, que criticaram os cortes de orçamento nesta área.
 
“Recebi a carta e achei excelente a ideia de eles se juntarem a mim nesta batalha. [...] Eles certamente tentaram lá atrás reverter situação [de cortes] e não conseguiram. Agora, quem sabe, juntos, nós não consigamos reverter”, afirmou o ministro.
 
Ele destaca que o orçamento da área vem caindo desde 2013 e que seu objetivo é fazer com que as verbas destinadas à pasta cheguem ao mesmo patamar de 2010, quando o ministério teve cerca de R$ 6 bilhões.
 
Para isso, ele diz que tem conversado com o presidente Bolsonaro e com o ministro da Economia Paulo Guedes. Segundo Pontes, o presidente sinalizou positivamente ao seu pleito de aumentar o orçamento da pasta. “Agora, a gente está esperando. Eu quero ver no número”, disse.
 
Na avaliação do ministro, os recursos para ciência e tecnologia não devem ser encarados como gastos, mas como investimentos que dão um retorno rápido e garantido para o país.
 
“Esta é uma pauta boa em que todos convergem. Ciência e tecnologia é fato, é pesquisa, não tem a ver com ideologia”, afirmou o ministro, destacando o seu papel conciliador —há cerca de um mês ele reuniu-se com o governador do Maranhão Flávio Dino (PCdoB) para discutir sobre a base de Alcântara.  ​

“Esse é meu jeito. Foco num assunto até resolver porque [entendo] que a tecnologia é uma das ferramentas mais poderosas que a gente tem. Pega a Estação Espacial [Internacional]. Ali tem várias nações, culturas, mas a ciência e tecnologia conectam. Para quem viu [a Terra] lá de cima, a gente está no mesmo barco.”
 
E a Terra é redonda, ministro?

“É redonda, pelo amor de Deus”, respondeu Pontes, antes de soltar uma gargalhada. 
 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.