Governo celebra impacto científico que é reflexo de investimentos anteriores

Índice utilizado ainda pode se alterar ao longo do ano; para agência federal, resultado seria fruto da distribuição eficiente de recursos

Sabine Righetti Estêvão Gamba
São Paulo

O governo federal divulgou em agosto dados que mostram que o impacto da ciência nacional estaria entre os mais altos das últimas décadas —o que refletiria ações da atual gestão. A informação está equivocada.

De acordo com a Capes, agência federal ligada ao MEC, o Brasil teria atingido no primeiro semestre de 2019 o segundo melhor nível em 30 anos no indicador que mede o impacto da pesquisa científica: 0,89. Antes disso, a maior taxa teria sido em 2016 (0,92).

O índice representa quantas vezes em média os artigos científicos do país são citados para cada trabalho produzido. A média mundial é de 1.

Em nota, o presidente da Capes, Anderson Correia, disse que os dados indicariam “que as políticas implementadas pela Capes no sentido de promover melhorias na avaliação e na racionalização do financiamento estão surtindo resultado”.

A questão é que estudos científicos publicados neste ano foram concluídos no ano passado ou antes, com recursos que os cientistas receberam há ainda mais tempo. Em média, trabalhos acadêmicos importantes levam seis anos para ter um resultado publicado em revista científica (em alguns casos, são dois anos só no processo de aceite do trabalho pela publicação).

Não dá, tampouco, para medir o impacto da nossa ciência em 2019 considerando os trabalhos acadêmicos deste mesmo ano —que ainda nem terminou. “Não dá tempo para um cientista ler um estudo, escrever outro e publicá-lo no mesmo ano”, explica Connie McManus, professora da UnB e ex-diretora de relações internacionais da Capes. 

Olhar os dados no meio do ano é como checar o saldo do banco sem levar em conta os débitos programados. Muitos periódicos acadêmicos enviam suas informações para as bases de dados somente meses após os artigos acadêmicos terem sido publicados. 

Consultada sobre os números, a Capes disse que usou um indicador próprio da Clarivate Analytics, dona da base de dados que reúne os principais periódicos científicos do mundo, a Web of Science. É uma média de citações recebidas pelos trabalhos científicos normalizada por área do conhecimento (como ciências biológicas ou engenharias). O número muda ao longo do ano conforme as publicações entram na base. 
Não se trata, no entanto, do indicador de impacto convencional usado por cientistas —e pela própria Capes.

A agência federal utiliza o número de citações por estudo para classificar os periódicos científicos que recebem a produção dos programas de pós-graduação brasileiros, responsáveis por formar mestres e doutores. 

Tradicionalmente, o indicador de impacto é calculado pela quantidade de vezes que estudos científicos publicados em revistas acadêmicas de anos anteriores foram mencionados em trabalhos científicos de ano posterior. Isso porque algumas áreas do conhecimento levam mais tempo para serem citadas (caso das Humanas, por exemplo).

No RUF (Ranking Universitário Folha) de 2019, que será lançado em breve, o impacto dos trabalhos das 197 universidades de todo o país é calculado pela quantidade de vezes que os estudos acadêmicos dessas instituições, publicados de 2012 a 2016, foram mencionados nos trabalhos de 2017. São considerados cinco anos de publicações, portanto.

Em outra vertente, o cálculo do impacto da ciência considera dois anos de publicações (no lugar de usar cinco anos). Nesse caso, a análise reflete mais a ciência recente de alto impacto que imediatamente é mencionada em estudos futuros. 

O cálculo de impacto da ciência brasileira pode ser feita também por outras bases de dados como a Scimago, uma espécie de concorrente da Web of Science que segue outra metodologia. A Scimago mostra que os artigos científicos publicados em 2018 por cientistas brasileiros receberam 0,50 citação. O país que tem sua produção científica mais citada são os EUA, com 6,7 citações para os artigos publicados em 2018.

Em nota, o ministro da Educação Abraham Weintraub disse ainda que “a expectativa é de que o índice [do impacto das produções acadêmicas] aumente, pois temos políticas voltadas para o que de fato tem impacto científico”.

Na academia, o sentimento vai no sentido contrário. “Só a publicação de um artigo científico em uma revista acadêmica de ponta custa cerca de R$ 12 mil, sem contar o custo da pesquisa em si. Como isso será feito sem recursos?”, questiona Connie. O custo é alto porque os principais periódicos científicos são estrangeiros —e cobram as taxas de publicações em dólar.

De acordo com proposta orçamentária para 2020, a verba da própria Capes, que fomenta ciência em todo o país, pode ser 50% menor do que em 2019: de R$ 4,25 bilhões passaria para R$ 2,20 bilhões.
A divulgação dos dados de impacto da ciência brasileira pelo governo se deu pouco antes do anúncio de um novo corte de recursos na área. 

No último dia 2, a Capes anunciou o congelamento de mais 5.613 bolsas de mestrado e doutorado. É uma espécie de salário pago a cientistas em formação para que se dediquem exclusivamente ao seus trabalhos acadêmicos —são R$ 2.200 mensais para um bolsista de doutorado. Nenhum novo pesquisador será financiado neste ano pela agência ligada ao MEC.

Os cortes federais também atingiram o CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico), órgão de fomento à pesquisa ligado ao MCTIC (Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações). A agência já anunciou que não tem dinheiro para pagar 84 mil bolsistas até o final do ano. O déficit é de R$ 330 milhões.

Questionada sobre a interpretação dos dados da Clarivate Analytics e sobre a relação do impacto da ciência hoje com o governo atual, a Capes disse que não poderia responder nesta semana, pois o presidente da agência estava fora a trabalho.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.