Maurício Meireles

Coluna editada por Maurício Meireles, repórter da Ilustrada.

Salvar artigos

Recurso exclusivo para assinantes

assine ou faça login

Maurício Meireles

Crise das livrarias põe consignação na berlinda

Modelo não se sustenta mais como no passado

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

A crise das grandes livrarias, Saraiva e Cultura, pode causar uma virada no mercado, com a mudança no modelo de consignação, sistema pelo qual editoras entregam os livros e só recebem depois que forem vendidos, num prazo que pode chegar a 90 dias.

Com a credibilidade das redes abalada pelas dívidas, esse modelo não consegue mais se sustentar como no passado. Editores se articulam desde dezembro para que, no plano de recuperação judicial que a Saraiva vai apresentar à Justiça até o fim do mês, esteja previsto o pagamento antecipado de tudo que for consignado já a partir de janeiro.

Também está na mesa a ideia de que os negócios com livrarias passem a ser feitos parte por meio de venda, parte por meio da consignação, em um sistema misto. Mas, dando certo ou não, a expectativa é de encolhimento do mercado em 2019.

Mais do que precisarem que os editores concordem com suas propostas de 
quitação das dívidas, as duas redes precisam convencê-los de sua capacidade de recuperação a longo prazo. Se os credores não aceitarem os planos, a Justiça decretaria a falência das empresas.

Ilustração da personagem e monarca Jinga de Angola
HISTÓRIA A Todavia lança neste mês ‘Jinga de Angola’, de Linda M. Heywood, sobre a rainha Jinga; acima, ilustração da personagem e monarca angolana  - Divulgação


TRADUÇÕES
Abre as portas, em breve, a editora Ponto Edita, criada pelos tradutores Mauricio Tamboni e Luís Fernando Protásio, voltada para autores inéditos no país ou pouco traduzidos. Os títulos de estreia serão “Ida”, de Gertrude Stein, e “Uma Mulher Perdida”, de Willa Cather.

OFICINA
A Ancine aprovou, com um valor de R$ 380 mil, um projeto de documentário sobre O Gráfico Amador, editora artesanal que funcionou  no Recife entre 1954 e 1961 e marcou o design brasileiro. Os fundadores eram Aloísio Magalhães, Orlando da Costa Ferreira, José Laurenio de Melo e Gastão de Holanda. A estreia será no canal Curta.

EXTERIOR
A Dublinense vendeu os direitos de “Correr com Rinocerontes”, de Cristiano Baldi, para a editora Lohvinaŭ, de Belarus. A casa independente bielorrussa é conhecida pela publicação de obras críticas ao ditador Alexander Lukashenko e por ter sofrido perseguição do regime.

SOBRE POESIA
A editora Âyiné prepara um livro sobre o poeta britânico William Wordsworth, tratando não só de suas duas principais obras, “Baladas Líricas” e o poema longo e autobiográfico “O Prelúdio”, mas fazendo também uma introdução ao mundo da poesia britânica do final do século 18. A autora é Sofia Nestrovski.
 

LINK PRESENTE: Gostou deste texto? Assinante pode liberar cinco acessos gratuitos de qualquer link por dia. Basta clicar no F azul abaixo.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.