Painel

Editado por Fábio Zanini, espaço traz notícias e bastidores da política. Com Guilherme Seto e Danielle Brant

Salvar artigos

Recurso exclusivo para assinantes

assine ou faça login

Painel
Descrição de chapéu Folhajus

STF vai ter que reanalisar prazo da Ficha Limpa, diz advogada do PDT

Partido questionava o início da contagem da inelegibilidade; Supremo não analisou o mérito

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Um dia após o Supremo Tribunal Federal (STF) rejeitar a ação do PDT que questionava o início da contagem da inelegibilidade prevista na Ficha Limpa, a advogada do partido, Ezikelly Barros, afirmou que a Corte ainda voltará a se debruçar sobre o tema na eleição deste ano.

"Adiaram o inadiável", afirmou a advogada, acrescentando que, como a corte não analisou o mérito, vários candidatos irão recorrer ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e novamente ao STF, por meio de Recurso Extraordinário.

0
O Supremo Tribunal Federal realiza a última sessão plenária deste ano judiciário, com pronunciamento do presidente da Corte, ministro Luiz Fux. Foto: Rosinei Coutinho / STF

"A decisão de apreciar a desproporção dessa norma caso a caso, além de manter a insegurança jurídica para os partidos e candidatos em 2022, levará a uma excessiva judicialização das eleições vindouras quanto ao tema que, por tratar de matéria de índole constitucional, inevitavelmente, retornará ao STF", defende.

A Lei da Ficha Limpa define que políticos condenados por órgãos colegiados (como tribunais de segunda instância), ou cujo processo tenha transitado em julgado, ficam inelegíveis desde a condenação até oito anos depois de cumprirem a pena. O partido pedia para o prazo começar a valer a partir da condenação.

Embora a ação tenha sido rejeitada, o mérito não foi analisado porque seis ministros entenderam que a Lei da Ficha Limpa já tinha sido validada em um julgamento em 2012. Ainda assim, três ministros se manifestaram sobre o assunto, cada um com uma posição diferente.

Alexandre de Moraes, por exemplo, defendeu a manutenção da regra como está. O ministro Kassio Nunes concordou com a contagem do prazo a partir da condenação.

Já Barroso votou pela manutenção da contagem do prazo após o cumprimento da pena. Mas defendeu que o período transcorrido após a condenação seja descontado.

Ezikelly previu a retomada do debate no STF durante sua participação na manhã desta quinta-feira (9) de um painel com outros especialistas sobre inelegibilidades no Essent Jus Experience, congresso sobre as tendências do mercado eleitoral para contadores, advogados e marqueteiros políticos em 2022.

LINK PRESENTE: Gostou deste texto? Assinante pode liberar cinco acessos gratuitos de qualquer link por dia. Basta clicar no F azul abaixo.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.