Brasil tem nove restaurantes na lista dos 50 melhores da América Latina

Casa do Porco é o único brasileiro a subir de posição; peruano Maido é reeleito o primeiro do ranking

Marília Miragaia
São Paulo

​​O restaurante Maido, de Mitsuharu “Micha” Tsumura, em Lima, no Peru, foi eleito, pela segunda vez consecutiva, o primeiro da lista dos 50 melhores da América Latina, o “50 Best”.

A cerimônia aconteceu na noite desta terça-feira (30), em Bogotá, na Colômbia, país que recebeu o evento pela segunda vez.

​Formam o top 5, na sequência: Central (2º), no Peru; Pujol (3º), no México; Boragó (4º), em Santiago, no Chile; e o brasileiro D.O.M. (5º), em São Paulo —que desceu duas posições do ano passado para cá.

O Brasil teve duas estreias: o Oteque (33º), de Alberto Landgraf, e Oro (49º), de Felipe Bronze, ambos no Rio de Janeiro. 

Instalada no centro de São Paulo, A Casa do Porco foi o único brasileiro a subir de posto, de 8º para 7º —os demais restaurantes desceram.  

“Não importa em qual a posição a gente fique, o importante é representar a gastronomia brasileira da melhor forma possível. Este é um palco para levar a nossa cultura, os nossos ingredientes e a nossa alegria. Fico feliz com este reconhecimento do meu trabalho”, disse seu chef, Jefferson Rueda.  

Para Rodrigo Oliveira, do Mocotó, se o país quiser ganhar proeminência no ranking, é preciso se articular mais. 

“A gente sempre vem com a expectativa de manter a posição ou subir. Já estivemos em diversas posições e sabemos que isso é volátil. Mas o Brasil é uma ilha no meio dessa latinidade hispânica. Se acharmos por bem nos posicionarmos melhor, temos que estar mais próximos, falar essa língua”, afirmou o chef do restaurante na zona Norte de São Paulo, que caiu de 27º para 45º lugar.  

 
Chefs brasileiros posam em frente o símbolo do prêmio "50 Best", com lenços vermelhos
Em sentido horário, a partir da primeira fila: Jefferson Rueda (A Casa do Porco); Helena Rizzo (Maní); Manu Buffara (Manu), Rodrigo Oliveira (Mocotó), Rafa Costa e Silva (Lasai); Bruna Oberg (sub-chef do Tuju); Nilson Chaves (Sub-chef do Oteque); Ivan Ralston (Tuju); Felipe Bronze (Oro); Thomas Troisgros (Olympe). Foto: Adriana Salay/Divulgação - Adriana Salay/Divulgação

Além das 50 casas presentes na lista, a cerimônia revelou destaques individuais. São eles: melhor confeiteiro (Jesús Escalera, da La Postrería, de Guadalajara); a escolha do chef, votado por cozinheiros (Carlos García); a arte da hospitalidade (Don Julio, em Buenos Aires, Argentina); o restaurante que mais subiu posições (Mishiguene, em Buenos Aires, saltando 32 postos); o prêmio dedicado à sustentabilidade (Boragó, de Santiago).

Outros prêmios divulgados anteriormente foram entregues durante a noite, entre eles o de melhor chef mulher (elit® Vodka Latin America’s Best Female Chef), dado à Pía León, do Central e do Kjolle, em Lima. 

Já a brasileira Manu Buffara, do Manu, em Curitiba, levou a categoria revelação (One To Watch), que reconhece potencial para integrar a lista nos próximos anos. 

Sexta edição

A celebração, em seu sexto ano, é a versão latino-americana do 50 Best Restaurants global, publicado atualmente pela William Reed Business Media e lançado em 2002. 

A lista de vencedores é formulada a partir de votos de um júri composto por mais de 250 jornalistas, foodies, chefs e restaurateurs da América Latina. O crítico da Folha, Josimar Melo, é presidente do júri do Brasil do prêmio.

Cada jurado deve votar em dez diferentes casas, visitadas ao menos uma vez nos últimos 18 meses, sendo quatro delas em países que não são o seu de origem.

A William Reed Business Media é organizadora, responsável pela coleta de votos e pela produção da lista.

Em 2017, os brasileiros que estiveram na lista foram: D. O.M. (3º),  A Casa do Porco (8º), Maní (9º), Lasai (16°), Olympe (23º), Mocotó (27º), o extinto Esquina Mocotó (41°) e o Tuju (45º).

Confira a lista completa de 2018

1.  Maido, em Lima, Peru
2. Central,  em Lima, Peru
3. Pujol, na Cidade do México, México
4. Boragó, em Santiago, Chile
5.  D.O.M., em São Paulo, Brasil
6.  Don Julio, em Buenos Aires, Argentina
7.  A Casa do Porco, em São Paulo, Brasil
8.  Astrid y Gastón, em Lima, Perú
9. Quintonil, na Cidade do México, México
10. Leo, em Bogotá, Colômbia
11. Tegui, em Buenos Aires, Argentina
12. Maní, em São Paulo, Brasil
13. Isolina, em Lima, Peru
14. Sud 777, na Cidade do México, México
15.  Villanos em Bermudas, em Bogotá, Colômbia
16. Rafael, em Lima, no Peru
17.  La Mar, em Lima, Peru
18.  Mishiguene, em Buenos Aires, Argentina
19. Chila, em Buenos Aires, Argentina
20. Máximo Bistrot, na Cidade do México, México
21. El Chato, Bogotá, Colômbia (novidade)
22. Parador La Huella, em Jose Ignacio, no Uruguai
23. Harry Sasson, em Bogotá, na Colômbia
24. Ambrosia, em Santiago, Chile
25.  Osso, em Lima, Peru
26.  Lasai, no Rio de Janeiro, Brasil
27. Olympe, no Rio de Janeiro, Brasil
28. 99, em Santiago, no Chile
29.  Maito, na Cidade do Panamá, Panamá
30.  Pangea, em Monterrey, no México
31. Alcalde, em Guadalajara, no México
32. Elena, em Buenos Aires, na Argentina
33. Oteque, no Rio de Janeiro, Brasil (novidade)
34.  Le Chique, em Cancun, México (novidade)
35.  Corazón de Tierra, Valle de Guadalupe, México
36. El Baqueano, em Buenos Aires, Argentina
37. Nicos, na Cidade do México, México
38. Gran Dabbang, em Buenos Aires, Argentina (novidade)
39. Malabar, em Lima, Peru
40. La Docena, em Guadalajara, México
41. Rosetta, na Cidade do México, México
42. Aramburu, em Buenos Aires, Argentina
43. Restaurante 040, em Santiago, no Chile
44. Proper, em Buenos Aires, Argentina
45. Mocotó, em São Paulo, Brasil
46. Narda Comedor, em Buenos Aires, Argentina (novidade)
47. Osaka, em Santiago, Chile (novidade)
48. Amaz, em Lima, Peru
49. Oro, Rio de Janeiro, Brasil (novidade)
50.  Tuju, em São Paulo, Brasil

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.