Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
24/07/2012 - 00h01

Marcos Roberto (1941-2012) - Uma cria da Jovem Guarda

Publicidade

DE SÃO PAULO

Morreu no sábado, aos 71 anos, em decorrência de insuficiência renal, o cantor e compositor Marcos Roberto.

Leia sobre outras mortes

O músico estava internado desde o final de junho no Hospital Municipal Antônio Giglio, em Osasco, na Grande São Paulo. Fez uma série de exames a fim de diagnosticar perda de peso, falta de apetite e fraqueza.

Segundo relato de amigos, Roberto passava por uma fase de depressão desde a morte da mulher, Márcia, por câncer, no ano passado.

Desenvolveu, então, um sério quadro de alcoolismo.

O velório aconteceu na manhã de anteontem, no Cemitério Santo Antônio, também em Osasco, onde foi sepultado em seguida.

Artista vinculado ao universo da jovem guarda, Marcos Roberto surgiu em um disco de 78 rotações em 1960, cantando em inglês. Lançou o primeiro álbum em 1966 pela gravadora Continental.

Ganhou mais popularidade na segunda metade dos anos 1960, quando passou a frequentar o programa Jovem Guarda, na TV Record, comandado por Roberto Carlos.

Seu maior sucesso, "A Última Carta", é parceria com Vicente Dias e está registrado em compacto de 1980, que, segundo a gravadora Copacabana, chegou a vender dois milhões de cópias.

É dele uma das primeiras gravações da guarânia "Fio de Cabelo" (Marciano/ Darcy Rossi), que ganharia fama nacional nas vozes de Chitãozinho e Xororó.

Composições de Sérgio Reis gravadas por ele, "Fim de Sonho" e "Vai Embora Daqui" também alcançaram boa repercussão no rádio.

Marcos Roberto deixa dois filhos.

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página