Polícia de Minas investiga suspeita de homicídio por motivo homofóbico e político

Jovem de 30 anos teria sido espancado na véspera do segundo turno da eleição

Thaiza Pauluze
São Paulo

O operador de balança Michel Messias Cunha, 30, morreu após ser supostamente espancado por oito homens na madrugada de sábado (27), em Nova Ponte, no interior de Minas Gerais.

A família suspeita que Michel foi vítima de homofobia e que agressores gritavam o nome do presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL).

Michel havia ido para um bar com amigos na sexta à noite, mas voltou para casa às 4h30, resgatado por um motorista que o viu pedindo socorro numa avenida da pequena cidade do triângulo mineiro.

Com o rosto ensanguentado, corpo machucado e só de cueca, ele disse que havia apanhado de oito homens que gritavam “Bolsonaro vai matar viado”, afirma a irmã, Luana Ferreira.

Os familiares não o levaram para o hospital nem para a delegacia. O jovem tomou um remédio para dormir e pela manhã foi encontrado morto pela irmã e a mãe.

Na certidão de óbito, a causa foi descrita como "trauma abdominal". A família acha que ele sofreu uma hemorragia interna no abdômen, mas o laudo do IML (Instituto Médico Legal), apontando o que exatamente causou a morte, só sairá em 30 dias.

Michel Messias Cunha, 30, morto no domingo (28) em Minas Gerais
Michel Messias Cunha, 30, morto no sábado (27) em Minas Gerais - Reprodução/Facebook

Homossexual, Michel costumava postar nas redes sociais conteúdo anti-bolsonarista e em defesa de Fernando Haddad (PT). Uma de suas últimas postagens mostrava que o candidato petista havia passado Bolsonaro nas intenções de voto na capital paulista, segundo o Ibope, com o comentário: “Pros bolsolixos nao dizerem que eh fake news, a pesquisa foi registrada no TSE”. “Ele brigava por causa do Haddad”, diz Luana.

No local do crime, que é próximo do bar onde o jovem estava, a polícia encontrou uma calça, um óculos de grau e um batom —este, o único item que a irmã diz não ser de Michel.

A Polícia Civil em Nova Ponte instaurou um inquérito para apurar o caso. A principal linha de investigação é a de homicídio, e a homofobia é uma das motivações que estão sendo apuradas. Segundo a polícia, que aguarda o laudo pericial, ainda é cedo para dizer se o crime teve motivações também políticas. O corpo de Michel foi sepultado na manhã do último domingo (28), dia do segundo turno das eleições.

 
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.