Polícia prende segurança suspeito de matar jovem que sumiu de festa em SP

Suspeito disse que manteve relações sexuais com Rayane antes de matá-la

São Paulo

A Polícia Civil prendeu, na madrugada desta quarta-feira (31), o suspeito de matar a estudante Rayane Paulino Alves, 16.

O corpo da jovem foi encontrado no último domingo (28), uma semana após desaparecer ao sair de uma festa em Mogi das Cruzes (57 km de São Paulo).

O suspeito, identificado como Michel Flor da Silva, 28, foi preso em Mogi das Cruzes. À polícia, ele confessou o crime. Michel disse que abordou Rayane na rodoviária de Guararema (Grande SP) onde trabalhava como segurança. No local, ofereceu carona à jovem, que aceitou.

A estudante Rayane Paulino, de 16 anos, que foi morta por asfixia, segundo laudo
A estudante Rayane Paulino, de 16 anos, que foi morta por asfixia, segundo laudo - Reprodução

No trajeto, o segurança informou que manteve relações sexuais com Rayane. Após o ato sexual, o suspeito disse que foi ameaçado pela jovem. Ela teria dito que contaria ao pai dela que havia sido estuprada.

Nesse momento, segundo a polícia, Michel disse que se descontrolou e asfixiou Rayane usando o cadarço da bota da jovem. Laudo da perícia confirma que Rayane morreu por asfixia.

Michel vai responder na Justiça pelos crimes de homicídio qualificado e estupro. A Folha não conseguiu localizar a defesa do suspeito.

O corpo de Rayane foi localizado, em estado avançado de decomposição, às margens da alça de retorno 2 da rodovia Ayrton Senna, no sentido capital.

O reconhecimento oficial do corpo foi feito pela mãe dela, a enfermeira Marlene Maria Paulino Alves, 47, na manhã desta segunda (29), no Instituto Médico Legal de Mogi. “Ela reconheceu o esmalte que minha filha usava [nas unhas das mãos] no dia em que desapareceu depois da festa”, afirmou o pai da vítima, o atendente Márcio Paulino Alves, 52.

Ele acrescentou que a filha, na semana em que antecedeu o desaparecimento, “estava muito feliz”. “Estava fazendo um curso [de administração] e estava muito empolgada por isso”.

O celular dela foi encontrado a 60 quilômetros de distância do local do evento, em Jacareí (84 km de SP). O sigilo do aparelho foi quebrado, revelando que a jovem fez uma ligação para o telefone de emergência da Polícia Militar, às 2h10 do dia 21.

Na festa, Rayane teria bebido e passado mal. Por isso, teria informado para duas amigas, que foram com ela ao evento, que iria embora e que o pai a buscaria. “Mas minha filha não me chamou”, garante o pai.

EMOÇÃO MARCA ENTERRO EM MOGI

Cerca de 300 pessoas foram ao enterro de Rayane Paulino Alves, 16, na tarde desta segunda, em Mogi. O corpo dela não foi velado. O caixão chegou ao cemitério, por volta das 16h. Permaneceu fechado durante 20 minutos de oração, feita em um anexo da capela do Cemitério da Saudade, que precederam o enterro, concluído com uma salva de palmas.

“Não dá pra entender até agora por que fizeram isso com uma pessoa boa, que nunca fez mal pra ninguém”, lamentou a amiga de Rayane, a estudante Natasha Fernandes da Cruz, 16.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.