Descrição de chapéu Agora

Maior serial killer do Brasil vira comentarista de crimes e faz sucesso no YouTube

Agora livre, Pedrinho Matador, 64, ficou 42 anos preso por mais de cem mortes

William Cardoso
São Paulo | Agora

Depois de 42 anos na prisão e mais de cem assassinatos, Pedrinho Matador, 64, agora comenta crimes em vídeos no YouTube e prepara um documentário sobre a sua vida. Em liberdade há sete meses, o maior serial killer do Brasil conversou com o Agora no último sábado e garantiu: só quer a paz.

Pedro no fundo, desfocado, com câmera que o grava no primeiro plano
Pedro Rodrigues Filho, 64 anos , o Pedrinho Matador, condenado por mais de 100 homicídios - Robson Ventura/Folhapress

O canal de Pedrinho Matador tem 29 mil inscritos e mais de 2,5 milhões de visualizações. A ideia foi de seu amigo, Pablo Silva, 30 anos, que também faz a produção dos vídeos. Entre os assuntos comentados por ele estão crimes como as mortes da cachorrinha do Carrefour de Osasco, do jogador Daniel, e da estudante Rayane Alves.

“São crimes que revoltam a gente, cheios de mentira, acabando com a felicidade de uma pessoa. Essa jovem [Rayane]... Por que o segurança foi fazer aquilo com ela? Ele tem família, mulher linda, filho. O diabo faz a panela, mas esquece de fazer a tampa. Tudo é descoberto. A condenação dele foi uma caneta [encontrada no local onde estava o corpo]”, afirma.

Depois de mais de quatro décadas na prisão, Pedrinho se vê também na obrigação de alertar os mais novos sobre os riscos da vida bandida. “O crime não é brincadeira. Muitos estão entrando por verem os galhos [fama e dinheiro], não a raiz [prisão e morte]. É como o diabo: dá com uma mão e tira com a outra. Tem muitos jovens que entram e, quando querem sair, já é tarde demais”, fala.

Entre as coisas que fogem ao código de conduta estabelecido por Pedrinho para os jovens e que o incomodam profundamente estão quebrar pontos de ônibus, andar de skate nas calçadas, desrespeitar os mais velhos, mentir para os pais sobre o lugar para onde vão. “Vejo isso tudo com os meus olhos. Não é só a droga que atrapalha a vida das pessoas.”

Embora a maioria dos seguidores apoie os conselhos do serial killer, muitos o criticam. Pedrinho, porém, desdenha daqueles que entram em seu canal para atacá-lo. “Eu dou risada. Esses caras são todos burros para caramba, não param para pensar no que falam. Por onde passei, eles não passam nem que a vaca tussa. Em vez de chegar na gente e conversar, saber quem é a pessoa, ficam falando abobrinhas”, diz.

O matador diz que se sente envergonhado quando é reconhecido nas ruas. “Até corro, me escondo. A pessoa chega e diz ‘eu te conheço de algum lugar’. Falo ‘eu não, você está enganado’. Mas alguns são cara dura e chegam, daí tiram foto”, diz. O assédio, entretanto, não o incomoda por completo. “Eu me sinto feliz porque as pessoas vão aprender um pouco sobre o que elas não sabem.”

Filme e livro

A vida de Pedrinho Matador está prestes a virar um documentário. O diretor Bruno Santana, da agência Dublês & Atores, tem levado o serial killer aos locais onde cometeu seus crimes e pretende contar fatos ainda desconhecidos. A previsão é de que a história fique pronta até fevereiro.

Segundo Santana, nem sempre Pedrinho foi “matador”. “Ele era o Pedrinho da Cartucheira, que era a arma que ele usava”, diz. Os mais de cem assassinatos cometidos por Pedrinho não são suficientes para deixar Santana ressabiado durante as gravações. “Ele vem dormir aqui na produtora e fico tranquilo. Deixo as espadas ao lado dele”, brinca.

Quem convive com o serial killer garante que ele está longe de ser um monstro. Atriz e assistente de produção, Andréia dos Santos é tratada como filha pelo matador e o descreve com carinho. “Ele é como uma criança querendo voltar a viver.”

Por trás do canal no YouTube está o também youtuber Pablo Silva, 30 anos, amigo de longa data de Pedrinho. É ele quem define os temas a serem comentados, compra roupas para o serial killer e o leva para a igreja. “A ideia surgiu para mostrar o lado positivo do Pedro, que muitas pessoas não conhecem. Não imaginava que fosse chegar tão longe”, fala.

Pablo também prepara a biografia do matador.

Vingador

Especialista em criminologia e autora do livro “Serial Killers: Made in Brazil”, Ilana Casoy afirma que Pedrinho não é um justiceiro, mas um vingador, por matar aqueles que ele considera como o que há de pior na sociedade. “Quando alguém desobedece o código de ética dele, ele tem soluções muito próprias e que não seguem a lei.”

“Acaba exercendo fascínio nas pessoas. É reflexo de uma sociedade que a gente tem, de um país onde só 10% dos homicídios são resolvidos. Traz essa visão distorcida”, diz Ilana. “O problema é que as vítimas de Pedrinho não tiveram direito a um advogado, como ele teve”, completa.

Segundo Ilana, serial killer é aquele que matou duas ou mais pessoas, com intervalo de tempo entre as vítimas, com ritual que envolve uma densidade psicológica.

A criminóloga entrevistou Pedrinho e diz que o que mais chamou sua atenção foi a alegria, desenvoltura e inteligência dele.

“Muito claro e direto. Não se esconde atrás de nenhuma fala imprecisa. Apesar dos crimes, existe uma pessoa, que é o Pedro. E Pedro merece todo respeito, independentemente de todos os crimes que cometeu.”

Fãs

No caminho até a praia em Bertioga (103 km de SP) no último sábado, Pedrinho Matador foi requisitado para fotos e bate-papos em frente a uma cachoeira. “Elas me conhecem, mas eu não conheço essas pessoas”, diz.

Assim que desceu do carro, não demorou muito para o maior serial killer do Brasil se ver cercado por curiosos e admiradores. “Estou diante dessa pessoa e não me impacta, porque não sou juiz, nem julgador para condenar os atos que ele praticou. Talvez ele tivesse seus motivos. Ouvi a história dele e teve uma infância difícil”, disse o autônomo Nilton Rodrigues Alves, 49 anos.

Quando chegou à praia, onde garantiu que não botava os pés havia décadas, Pedrinho se emocionou. “Dentro da cela só se vê gato brincando”, diz.

Vida tranquila

Pedro Rodrigues Filho, o Pedrinho Matador, afirma que o mundo mudou muito desde que entrou numa prisão pela primeira vez. Quando saiu da Colônia Penal de Mongaguá há sete meses, ele disse ter enfrentado dificuldades com o dia a dia.

“Passei a maior vergonha para me acostumar. Até para pegar o trem na estação precisei pedir ajuda”, diz.Sobre o “tempos de guerra”, como chama as batalhas travadas à faca no sistema prisional, Pedrinho lembra com tristeza. “Deus já me castigou muito. Já fui muito ruim no passado, porque as pessoas também foram ruins comigo”, diz.

Questionado se matou mais de cem, Pedrinho não nega. “Chega a isso aí. O dia em que não matava gente, eu não dormia”, fala. Ele diz não se arrepender dos assassinatos, mas sim de ter entrado no crime.

Em relação ao futuro, o matador sonha com uma vida tranquila em que possa cuidar de alguma chácara, no meio do mato, o lugar que tanto gosta. E quer um pouco mais. “Não queria que me conhecessem por esse nome mais. Deixa Pedrinho Matador para lá... Quando as pessoas me chamam ‘ô, seu Pedro’, eu fico feliz da vida. Seu Pedro, né? Viver o restinho de vida que eu tenho na paz.”

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.