Veja o que se sabe até agora sobre o assassinato da vereadora Marielle Franco

Operação prendeu na manhã desta terça-feira (12) dois suspeitos de participarem do crime

São Paulo

A dois dias de completar um ano do assassinato da vereadora Marielle Franco, em 14 de março, uma operação da Polícia Civil do Rio prendeu na manhã desta terça-feira (12) dois suspeitos de participarem do crime.

Batizada de Lume, em referência ao Buraco do Lume, praça no centro do Rio em que parlamentares do PSOL costumam se reunir para falar de seus mandatos toda sexta-feira, a operação contou com a participação do Ministério Público do Rio, por meio do Gaeco.

Entenda os pontos principais da Operação Lume, as ações que já foram realizadas e os próximos passos da investigação. 

 

Quem era Marielle Franco e como era sua atuação?

Marielle se denominava feminista, negra e criada na comunidade da Maré (zona norte do Rio), três frentes pelas quais ela militava. Formada em sociologia, foi assessora do então deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL) por cerca de dez anos, até se eleger em 2016 como a quinta vereadora mais votada do Rio. Criticava a violência policial, mas já prestou auxílio a familiares de policiais mortos.

Como e quando ela foi morta?

Ela foi assassinada na noite do dia 14 de março de 2018 quando voltava de um debate com mulheres negras na Lapa, no centro do Rio. Seu veículo foi atacado a tiros no Estácio, a 4 km dali. Ela, que estava sentada no banco de trás, foi atingida por quatro disparos na cabeça e Anderson Gomes, seu motorista, por três nas costas. A assessora Fernanda Chaves também estava no carro e sobreviveu.

Por que ela foi morta?

Segundo a denúncia, por um motivo torpe, ou seja, imoral. O Ministério Público sustenta até agora que o atirador tinha obsessão e ódio por personalidades da esquerda política, com base em pesquisas recorrentes que ele fez na internet antes do crime sobre Marielle, Marcelo Freixo e outros. O inquérito, porém, ainda não está concluído.

Quem matou Marielle?

Os réus são o policial militar reformado Ronnie Lessa, 48, que teria feito os disparos, e o ex-policial militar Élcio Vieira de Queiroz, 46, que teria dirigido o carro usado no crime. Mas eles ainda precisam passar por um julgamento antes de serem considerados culpados.

Quem mandou matar Marielle?

A Polícia Civil e o Ministério Público do Rio ainda não sabem. Após as prisões dos supostos executores desta quarta (12), segundo eles, as investigações agora entram em uma nova fase, dedicada a identificar possíveis mandantes e outras motivações para o crime.

Quais indícios levaram à prisão de Lessa e de Queiroz?
Imagens de câmeras de monitoramento, testemunhos e quebra de dados telemáticos. Durante meses, Lessa pesquisou locais frequentados por Marielle. Dias antes do crime, por exemplo, ele buscou a rua em que a vereadora morava

O presidente Jair Bolsonaro conhecia Lessa?
Exceto pelo fato de terem casa no mesmo condomínio, não há indícios, por ora, de relação entre o presidente e Lessa

Por que a operação foi deflagrada às vésperas de o crime completar um ano?
O Ministério Público alega coincidência e nega ter esperado o aniversário do crime. De acordo com a promotoria, a denúncia foi oferecida neste momento porque foi quando a investigação ficou madura 

O que os presos dizem?
Ambos negam a acusação. O advogado de Ronnie Lessa afirmou que ele nega veementemente que tenha cometido qualquer assassinato. O defensor de Élcio Vieira de Queiroz disse que seu cliente tem um álibi que provará que ele não estava presente no local do crime

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.